Preloading Soc. Com. C. Santos
Loading...

Notícias

18/01/2023 15:43

image

Como a Mercedes-Benz redefiniu a segurança automóvel há 50 anos

Sabia que sistemas tão fundamentais como o ABS, o airbag ou os cintos de três pontos de fixação, equipados com tensores e limitadores de esforço, foram preconizados por um automóvel-laboratório da Mercedes-Benz? Apresentado em 1973, no Japão, o ESF 22 foi um dos mais inovadores Veículos Experimentais de Segurança (ESF, na sigla alemã), tendo por base o Classe S W116.

image

Desde o início da década de 1970 que a Mercedes-Benz vinha a construir automóveis experimentais para investigar os futuros sistemas de segurança. Estes verdadeiros laboratórios sobre rodas, denominados Veículos Experimentais de Segurança, ou ESV/ESF, ajudaram a trilhar o caminho para numerosas inovações, algumas das quais só foram incorporadas num automóvel de produção em série anos mais tarde. Entre estes destacam-se o ABS, os quatro cintos de segurança de três pontos de fixação, os tensores dos cintos com limitadores de força, o airbag e os sistemas de proteção contra impactos laterais. Outra característica especial era a secção frontal alargada com amortecedores de impacto hidráulicos.

image

No final dos anos 60 do século passado, era impossível ignorar um dos maiores desafios colocados pela motorização em massa das populações: um número crescente de pessoas morria em acidentes de viação. Sempre à frente do seu tempo, em particular no que à segurança diz respeito, em 1970 a Mercedes-Benz já tinha dado luz verde aos projetos ESF (veículos experimentais de segurança) que, em Sindelfingen, avançavam a toda a velocidade. Os primeiros testes destes laboratórios rolantes tiveram lugar a 12 de março de 1971, recorrendo a um W114 de produção em série, assumindo a forma de um impacto frontal a 80 km/h contra uma parede fixa. Os testes também incluíram impactos traseiros, testes de impacto lateral contra mastros e outros veículos, e também testes de queda a partir de uma altura de 0,5 metros. Assim, em outubro de 1971, a Mercedes Benz apresenta o ESF 05 na 2ª Conferência Internacional ESV, em Sindelfingen.

image

Segurança como prioridade

No entanto, o foco da Mercedes-Benz não se esgotou apenas na proteção dos ocupantes em caso de acidente, com base na correspondente melhoria das estruturas dos veículos e dos novos sistemas de retenção. Mesmo há mais de 50 anos, a Mercedes-Benz adotou uma abordagem contínua e abrangente à segurança, como mostra uma descrição do ESF 13 apresentado em maio de 1972. Esta contém termos tão atuais como “segurança através do conforto dos bancos”, ou “eficácia da climatização e da redução de ruídos e vibrações (NVH)”, tudo contributos para o bem-estar do condutor e da diminuição da fadiga. Além disto, o ESF 13 incluía controlo pneumático da altura do feixe luminoso dos faróis dianteiros, limpa-faróis, limpa-vidros traseiro, avisador do estado dos farolins traseiros no interior e detalhes de pintura exterior que realçavam a visibilidade do automóvel.

image

O depósito de combustível já estava numa posição que minimizava o risco de incêndio e tinha um mecanismo que desativa a bomba de combustível se houvesse uma perda de pressão. O próprio sistema tinha uma válvula que impedia o derrame se o carro capotasse e até os materiais utilizados no interior eram ignífugos.

A inovação do ESF 22

O Veículo de Segurança Experimental ESF 22 foi o terceiro marco no Programa ESV da Mercedes-Benz e levou as preocupações da marca da estrela com a segurança passiva e ativa a um novo patamar. Baseado diretamente no Classe S W116, que, por si, já era um dos automóveis mais inovadores do mundo, esta berlina com 5240 mm de comprimento e mais de duas toneladas de peso recorria a uma panóplia de elementos de segurança que aumentavam consideravelmente a hipótese de sobrevivência num impacto frontal a 65 km/h contra uma barreira indeformável. Entre os sistemas mais evoluídos destacam-se os airbags, os pré-tensores dos cintos com limitadores de força e o sistema ABS de controlo eletrónico, dispositivo de segurança que, hoje, consideramos imprescindível - ao ponto de se ter tornado obrigatório - e que passou a ser opcional no Classe S W116 em 1978. Um dos detalhes mais curiosos do ESF 22 eram os enormes e sobressaídos para-choques dianteiros de 245 mm, que estavam equipados com sistemas hidráulicos de absorção de impactos.

image

Todos estes elementos proporcionaram uma excelente base para o ESF 24, o último dos Veículos Experimentais de Segurança da Mercedes-Benz durante a década de 70. Aliás, o relatório final dos testes, em 1975, chegou à mesma conclusão ao afirmar que “o ESF 24 encerra o projeto, uma vez que representa o melhor compromisso possível entre os requisitos originais do ESF e os nossos modelos de produção atuais”.

image

As ideias concretizadas durante os desenvolvimentos dos ESF entraram em produção em série nos modelos Mercedes-Benz em rápida sucessão. Alguns marcos são:

•         1978: Introdução em série do sistema de anti bloqueio da travagem - ABS.

•         1980: Introdução em série do airbag do condutor e dos tensores dos cintos como uma inovação mundial.

·         1995: Limitadores de força dos cintos e os airbags laterais são adotados na produção em série.

A Mercedes-Benz também introduziu na indústria várias outras características inovadoras na segurança ativa e passiva, sendo, inegavelmente, uma das marcas que, ao longo da sua história, mais se destacou neste campo. Uma tradição que ainda hoje perdura. Mas o legado dos ESF não se perdeu na década de 70, já que em 2009 a Mercedes-Benz apresentou um novo Veículo Experimental de Segurança: o ESF 2009, baseado num Classe S 400 Hybrid (W222) e com 13 inovações no capítulo da segurança.

image