Preloading Soc. Com. C. Santos
Loading...

Notícias

25/01/2023 18:49

Eletrificação de veículos comerciais ligeiros: chave está na infraestrutura e formação de utilizadores

A Sociedade Comercial C. Santos promoveu, na passada semana, uma conversa digital sobre a eletrificação dos veículos comerciais ligeiros. Infraestruturas de carregamento (privadas e da rede pública) e formação dos condutores foram apontadas como elementos cruciais no processo.

Com transmissão em direto nas redes sociais do concessionário Mercedes-Benz e smart, esta nova SocTalks contou com responsáveis de organismos e empresas com necessidades quotidianas de viaturas comerciais ligeiras. Com o tema “Desafios da eletrificação no transporte urbano de passageiros e mercadorias”, a conversa (que pode ser vista aqui) contou com a participação de Adelina Rodrigues (chefe da Divisão de Energia e Mobilidade da Câmara Municipal da Maia), Pedro Correia (responsável de formação operacional da DPD Portugal), Tânia Monteiro (diretora de operações da Living Tours) e Aquiles Pinto (relações públicas da Sociedade Comercial C. Santos). Foi moderada por Carlos Moura, jornalista da revista Turbo Comerciais e representante português no júri dos prémios International Van of the Year e do International Pick-Up Award.

Liderar caminho

A Câmara Municipal da Maia tem como meta a descarbonização do território e, portanto, a frota de viaturas é uma das prioridades. “No ano que passou convertemos 60% da nossa frota para elétrica. Conseguimos poupanças grandes face à frota anterior e as autonomias são suficientes para o tipo de atividade que desenvolvemos, até porque acontece sobretudo dentro do concelho da Maia. Esta opção tem resultados muito positivos”, explica Adelina Rodrigues.

A empresa de entrega de encomendas DPD tem em curso a integração de 55 unidades Mercedes-Benz eSprinter (com decoração diferente das viaturas a combustão ao serviço) na frota em operação em Portugal. O processo arrancou em 2022 e a empresa já efetua entregas 100% elétricas em Lisboa (códigos postais entre 1000 e 1900) e tem eletrificação parcial em 12 cidades do país. Está, além disso, em curso o alargamento a outras cidades portuguesas.

“Já conseguimos resultados muito interessantes, mesmo com algumas limitações que existiram em termos de prazos de entrega das viaturas e d as obras que tivemos de fazer em termos de infraestruturas. Para nós foi fundamental liderar esse caminho e começamos a ter esse retorno, quer dos clientes, quer dos destinatários. É gratificante ver que a eletrificação e das baixas emissões no last mile paga dividendos. Isso para nós é indicador de que este é um trabalho com pertinência”, indica Pedro Correia.

O operador turístico Living Tours tem como objetivo avançar com a eletrificação da frota. Já o fez na atividade de tuk-tuks e prepara-se para integrar duas viaturas elétricas de nove lugares para os tranfers entre aeroporto e hotéis. “Não renovamos toda a nossa frota para os serviços mais longos, porque ainda existem algumas limitações em termos de carregamento, mas temos consciência que a poluição nos centros das cidades é um problema e temos de dar o nosso contributo rumo à sustentabilidade”, afirma Tânia Monteiro.

A quota de elétricos nas Mercedes-Benz em Portugal em 2021 foi de 20% nos automóveis e inferior a 10% nos veículos comerciais ligeiros, uma tendência que a Sociedade Comercial C. Santos acompanhou. “Os centros das cidades vão ter cada vez mais população e cada vez mais a qualidade do ar será importante. Do lado das marcas – nós somos um concessionário – cumpre ter oferta para dar a melhor resposta possível às necessidades do mercado. Isso está a resultar na eletrificação da gama disponível”, refere Aquiles Pinto. A mesma fonte considera que há margem para a procura de veículos comerciais ligeiros elétricos acelerar, até porque “a disponibilização da oferta de veículos comerciais foi um pouco mais lenta do que nas viaturas de passageiros” e os “incentivos fiscais à utilização” são menos neste segmento.

Autonomias sem problema após adaptação

A autonomia das viaturas não é um problema nestes operadores. Para isso foi, importante, porém criar as devidas infraestruturas de carregamento e prestar a devida informação aos utilizadores. “Temos locais específicos para carregamento e não temos registo de termos viaturas sem bateria, até porque os próprios utilizadores têm o cuidado de colocarem os veículos a carregar sempre que a carga está abaixo dos 50%”, explica a chefe da Divisão de Energia e Mobilidade da Câmara Municipal da Maia. “Em seis meses, conseguimos colocar a nova frota em funcionamento e nunca nenhuma viatura ficou sem carga. E são 90 viaturas”. Sobre os utilizadores, Adelina Rodrigues indica que “no início houve alguma resistência”, mas que hoje a autarquia “não tem qualquer problema”.

Também o responsável de formação operacional da DPD Portugal fala em dois desafios: infraestrutura e o ceticismo de alguns utilizadores. Sobre a infraestrutura, a empresa dotou as instalações de carregadores (embora sublinhe que, em termos gerais da eletrificação automóvel, “há um desafio na infraestrutura, seja a nível empresarial, seja a nível dos particulares”). Sobre os utilizadores, Pedro Correia salienta a importância da formação. “Não podemos migrar um condutor de uma viatura com motor térmico para uma viatura elétrica sem lhe dar a devida formação. Isto porque grande parte da rentabilização desta tecnologia está no facto da maioria destas viaturas ter regeneração, o que permite que as viaturas carreguem em operação. É preciso ensinar a conduzir viaturas elétricas e temos resultados interessantes, de viaturas que chegam com autonomias superiores a 40% ao final do dia de trabalho, porque o condutor percebe a missão”.

Carregamento público ainda é obstáculo

Quando a utilização de viaturas elétricas obriga ao carregamento em postos públicos a visão pode ser outra. Uma parte importante da atividade da Living Tours são os programas de visitas com uma distância e tempo um pouco maiores do que os transfers.

Isso é um obstáculo aos objetivos de eletrificação da frota da empresa, segundo Tânia Monteiro. “O nosso destino mais procurado é o Douro e no Douro movemo-nos em meios mais rurais, onde não há possibilidade de carregamento de veículos. Felizmente, já há muitas quintas no Douro que têm wallboxes de carregamento, mas estamos a falar de uma ou duas em cada quinta, o que não dá garantias de que consigamos carregar a viatura nos cerca de 30 minutos em que o nosso grupo está no espaço. Também em circuitos como Santiago de Compostela, Fátima ou Coimbra, não é fácil conseguir ter hipótese de carregamento”, diretora de operações da Living Tours.

Redução de custos energéticos

Apesar do preço das viaturas elétricas ainda ser superior ao de modelos a combustão equivalentes, todos os operadores indicam que há potencial de corte de custos energéticos. “Com a totalidade da frota antiga, tínhamos um custo anual de 300 mil euros em combustíveis rodoviários. Com a transformação, reduzimos o consumo de gasóleo em cerca de 50% e o de gasolina em mais de 60%. Além disso, a maioria das nossas viaturas é carregada em média tensão. Ou seja, em termos de custos conseguimos uma elevada poupança com a eletrificação da frota”, informa a chefe da Divisão de Energia e Mobilidade da Câmara Municipal da Maia.

A DPD Portugal também acredita na redução de custos, muito mais se a fonte energética for própria. “Faz sentido o aproveitamento de energias renováveis nas nossas instalações, onde estamos a colocar painéis solares e outras tecnologias semelhantes. Será um ponto muito interessante das novas instalações que estamos a construir em Loures, que serão a nossa nova sede em Portugal e onde funcionará o depot de Lisboa. Se conseguirmos gerar a nossa própria energia, maximizamos a poupança”, afirma o responsável de formação operacional do grupo de entrega de encomendas no nosso país.

Veja ou reveja a edição das SocTalks “Desafios da eletrificação no transporte urbano de passageiros e mercadorias” na seguinte ligação: https://bit.ly/3WyC7jc

25/01/2023 18:36

Novos Mercedes-Benz CLA e CLA Shooting Brake: Criadores de tendências

Os Mercedes-Benz CLA e CLA Shooting Brake estão ainda mais elegantes, sofisticados, eficientes e conectados. Conheça todas as novidades do modelo que revolucionou o seu segmento.

Lançado originalmente em 2013, o Mercedes-Benz CLA e, mais tarde, a versão Shooting Brake, vieram revolucionar o segmento dos familiares compactos, com um formato sedan/coupé que acrescentava a emoção estética que faltava a este tipo de automóveis. Uma década depois, o CLA e a sua congénere ainda mais versátil CLA Shooting Brake continuam no auge e acabam de receber mais um conjunto muito significativo de inovações e atualizações, que abrangem o equipamento de conforto e de segurança, a conetividade, a eficiência das suas motorizações e, como não podia deixar de ser, a vertente do design, que foi modernizado e está ainda mais apaixonante.

O para-choques dianteiro remodelado, a grelha do radiador redesenhada com padrão de estrelas e o novo difusor traseiro reforçam o carácter desportivo. A acrescentar a isto está o design vanguardista dos sofisticados faróis LED High Performance, que passam a ser de série, e dos farolins traseiros LED. As novas cores de pintura hyper blue (exclusiva nos modelos CLA) e spectral blue, bem como os três modelos de jantes adicionais que abrangem dimensões até às 19 polegadas, alargam o leque de escolha para uma maior personalização. De série, os novos modelos CLA Coupé e CLA Shooting estão equipados com jantes de liga leve de cinco raios com 17 polegadas, na cor prateado vanadium, ou com jantes de cinco raios duplos na cor preto brilhante.

Um habitáculo de onde não apetece sair

Reconhecido pela referencial qualidade geral e pelo conforto, o interior dos novos CLA e CLA Shooting Brake destaca-se ainda pelo importante reforço tecnológico. O destaque vai para o ecrã duplo independente, que inclui de série um ecrã de 7 polegadas e um ecrã de 10.25 polegadas. Os dois ecrãs de 10.25 polegadas estão disponíveis como opção e oferecem uma experiência ainda mais envolvente e sofisticada. Os novos revestimentos com visual em carbono escuro, em madeira de lima porosa no tom de castanho ou a microfibra MICROCUT (apenas AMG Line) em castanho, acrescentam ainda mais qualidade ao interior.

Os bancos conforto também apresentam de série uma combinação de pele sintética ARTICO com tecido tridimensional em preto. Opcionalmente estão disponíveis em cinza sálvia, uma cor da moda. A linha de equipamento Progressive oferece três cores para o interior: preto, bege macchiato e cinza sálvia. Na linha de equipamento AMG Line, o revestimento de série dos bancos em pele ARTICO/microfibra MICROCUT está agora também disponível em castanho bahia. No total, encontram-se disponíveis cinco cores de revestimento na linha de equipamento AMG Line: preto, castanho bahia, cinza sálvia, pérola cinza titan/preto e, pela primeira vez, pimenta vermelho peper/preto.

O revestimento em tecido dos bancos de conforto é fabricado com recurso a materiais reciclados. A utilização de materiais reciclados é uma medida importante para alcançar a neutralidade carbónica. Logo no final desta década, a Mercedes-Benz pretende reduzir pelo menos a metade as emissões de COde todo o ciclo de vida de cada veículo ligeiro de passageiros do portfólio de novos modelos, comparativamente a 2020. A partir de 2039, a Mercedes-Benz pretende que o portfólio de veículos ligeiros de passageiros e de comerciais ligeiros seja neutro em emissões de carbono com compensações em toda a cadeia de valor do automóvel.

Ao serviço do condutor e dos ocupantes

A Mercedes-Benz aperfeiçoou significativamente o equipamento de série. Por exemplo, os dois novos modelos CLA já incluem o Assistente de Máximos, a câmara de marcha-atrás e o pack USB, além do volante em pele e dos já referidos faróis LED. A partir dos veículos equipados com a linha de equipamento Progressive, os clientes também recebem o Pack Parking e o Pack Espelhos, bem como a porta do compartimento de bagagens EASY-PACK para o CLA Shooting Brake.

Estes dois novos modelos CLA Coupé e CLA Shooting Brake também integram a última geração do MBUX – com estilos de exibição recém-criados: o estilo “Classic” apresenta toda a informação importante ao condutor, o estilo “Sporty” impressiona com o conta-rotações dinâmico, enquanto o estilo “Discreet” apresenta apenas a informação essencial.

O sistema de telemática remodelado também impressiona com o novo design e um desempenho aperfeiçoado. Uma nova característica é a conectividade sem fios com smartphones através do Apple CarPlay ou do Android Auto. O sistema de som surround BurmesterÒ (opcional) integra agora uma experiência de som imersiva Dolby Atmos que fará as delícias de qualquer melómano que assim terá, a bordo do seu Mercedes-Benz, uma experiência digna das melhores salas de concerto.

Mais potência, maior eficiência

Há muito que a Mercedes-Benz conseguiu provar que potência e eficiência não são incompatíveis. Os novos CLA e CLA Shooting Brake são mais uma prova disso mesmo. A gama de motores a gasolina foi totalmente eletrificada e inclui unidades de quatro cilindros com caixa automática DCT de 7 ou 8 velocidades de série. Nos chamados mild-hybrid (híbridos parciais), os motores estão equipados com um sistema elétrico de bordo adicional de 48 V que suporta a agilidade no arranque com mais 10 kW de potência, permite recuperar energia nas travagens e apoia nas acelerações.

Outro grande passo é dado pelos novos modelos CLA Coupé e CLA Shooting Brake híbridos plug-in. A bateria fornece uma maior capacidade de armazenamento, resultando numa maior autonomia elétrica (82 km WLTP para o CLA e 80 km para a Shooting Brake). A potência do motor elétrico também foi aumentada em 5 kW e agora atinge os 80 kW. Para carregar a bateria continuam disponíveis três opções: além da potência de 3.7 kW de série, a bateria pode agora também ser carregada com corrente alternada com uma potência de até 11 kW, ao invés dos anteriores 7.4 kW. Os novos modelos CLA também continuam a disponibilizar a opção de carregar a bateria com corrente contínua e com uma potência de até 22 kW que permite passar dos 10 até aos 80 % em cerca de 25 minutos.

O pináculo da evolução… e da diversão

Se os CLA e CLA Shooting Brake já são exemplares no que prazer que oferecem, mesmo o resultante da simples observação estética, o que dizer das versões Mercedes-AMG? Com potências entre os 305 cv e uns avassaladores 421 cv, sublimam todos os atributos que associamos aos familiares compactos da Mercedes-Benz.

Seria possível tornar os CLA AMG ainda mais desejáveis e apaixonantes? A resposta da Mercedes-AMG foi um claro sim! As versões de entrada (CLA 35 4Matic e CLA 35 4Matic Shooting Brake) receberam uma grelha do radiador específica da AMG com lamelas verticais, um para-choques dianteiro remodelado e uma insígnia redonda com o emblema AMG, que reforça a afiliação à marca. O design remodelado do interior dos faróis com tecnologia LED ou MULTIBEAM LED e dos farolins traseiros LED também caracteriza o modelo topo de gama CLA 45 S 4MATIC+ e CLA Shooting Brake.

As duas variantes também receberam jantes específicas e ainda mais exclusivas. O 35 passa a estar disponível (de série) com jantes de 18” de 10 raios em preto com acabamento em alto brilho, e opcionalmente, de 19” com cinco raios duplos em preto mate com acabamento em alto brilho ou em preto mate com aro em alto brilho. A nova seleção de jantes para as duas versões 45 S inclui jantes de série de 19” com cinco raios duplos em preto mate com acabamento em alto brilho ou umas opcionais jantes de 19” com cinco raios duplos em preto mate com aro em alto brilho.

No interior, os “pilotos” de ocasião vão descobrir os novos revestimentos dos bancos desportivos ou os opcionais bancos AMG Performance. Para os elementos de acabamento interior, a madeira de lima porosa em castanho completa a seleção de opções. Os modelos Mercedes-AMG CLA também vêm de série com o volante AMG Performance com raios duplos e botões perfeitamente integrados.

Coração de atleta

Como na restante gama CLA e CLA Shooting Brake, os modelos 35 estão equipados com sistema elétrico de 48 V que fornece uma potência suplementar temporária de 10 kW (14 CV). O potente e ágil motor 2.0 litros turbo de quatro cilindros fornece uma potência de 225 kW (306 CV), que é distribuída às quatro rodas através da caixa de velocidades AMG Speedshift de 8 relações. O desempenho de condução desportivo é exemplar, como o comprova a aceleração dos 0 aos 100 km/h em 4.9 segundos.

A versão de topo, o já icónico 45 S 4Matic+ continua a ser ímpar no segmento, com uns incríveis 421 CV de potência. O Coupé e a Shooting Brake aceleram dos 0 aos 100 km/h em 4.1 segundos, enquanto a velocidade máxima (limitada eletronicamente) chega aos 270 km/h. O sistema de tração integral totalmente variável com AMG Torque Control contribui significativamente para uma experiência de condução que esbate os limites entre os automóveis de estrada e de competição.

AMG 45 Street Style Edition

Para quem não se contenta com nada menos do que o melhor, está disponível uma edição especial limitada para os modelos CLA 45 S 4MATIC+ Coupé e Shooting Brake: a AMG Street Style Edition. A pintura Manufaktur cinza, os painéis laterais com logótipo AMG e o padrão AMG com bandeira de xadrez realçam o carácter exclusivo desta série. Esta edição está ainda equipada com jantes AMG de 19” e com pinças dos travões vermelhas. Outros elementos incluem o Pack AMG Aerodynamics, os packs AMG Night I e II e o tampão do depósito de combustível AMG.

No habitáculo, destacam-se os bancos AMG Performance revestidos em microfibra preta adornados com pespontos e elementos decorativos em cor de laranja. A denominação “CLA 45 S”, também em cor de laranja, transporta o emblema da marca para o interior. O volante AMG Performance e os elementos de revestimento AMG em alumínio, o tablier conta com pesponto contrastante cor de laranja. Os tapetes AMG com inscrição “Street Style Edition” e o pesponto cor de laranja completam o design interior que é, sem dúvida, ainda mais exclusivo. Ou não fosse esta uma série especial com a assinatura Mercedes-AMG.

18/01/2023 15:43

image

Como a Mercedes-Benz redefiniu a segurança automóvel há 50 anos

Sabia que sistemas tão fundamentais como o ABS, o airbag ou os cintos de três pontos de fixação, equipados com tensores e limitadores de esforço, foram preconizados por um automóvel-laboratório da Mercedes-Benz? Apresentado em 1973, no Japão, o ESF 22 foi um dos mais inovadores Veículos Experimentais de Segurança (ESF, na sigla alemã), tendo por base o Classe S W116.

image

Desde o início da década de 1970 que a Mercedes-Benz vinha a construir automóveis experimentais para investigar os futuros sistemas de segurança. Estes verdadeiros laboratórios sobre rodas, denominados Veículos Experimentais de Segurança, ou ESV/ESF, ajudaram a trilhar o caminho para numerosas inovações, algumas das quais só foram incorporadas num automóvel de produção em série anos mais tarde. Entre estes destacam-se o ABS, os quatro cintos de segurança de três pontos de fixação, os tensores dos cintos com limitadores de força, o airbag e os sistemas de proteção contra impactos laterais. Outra característica especial era a secção frontal alargada com amortecedores de impacto hidráulicos.

image

No final dos anos 60 do século passado, era impossível ignorar um dos maiores desafios colocados pela motorização em massa das populações: um número crescente de pessoas morria em acidentes de viação. Sempre à frente do seu tempo, em particular no que à segurança diz respeito, em 1970 a Mercedes-Benz já tinha dado luz verde aos projetos ESF (veículos experimentais de segurança) que, em Sindelfingen, avançavam a toda a velocidade. Os primeiros testes destes laboratórios rolantes tiveram lugar a 12 de março de 1971, recorrendo a um W114 de produção em série, assumindo a forma de um impacto frontal a 80 km/h contra uma parede fixa. Os testes também incluíram impactos traseiros, testes de impacto lateral contra mastros e outros veículos, e também testes de queda a partir de uma altura de 0,5 metros. Assim, em outubro de 1971, a Mercedes Benz apresenta o ESF 05 na 2ª Conferência Internacional ESV, em Sindelfingen.

image

Segurança como prioridade

No entanto, o foco da Mercedes-Benz não se esgotou apenas na proteção dos ocupantes em caso de acidente, com base na correspondente melhoria das estruturas dos veículos e dos novos sistemas de retenção. Mesmo há mais de 50 anos, a Mercedes-Benz adotou uma abordagem contínua e abrangente à segurança, como mostra uma descrição do ESF 13 apresentado em maio de 1972. Esta contém termos tão atuais como “segurança através do conforto dos bancos”, ou “eficácia da climatização e da redução de ruídos e vibrações (NVH)”, tudo contributos para o bem-estar do condutor e da diminuição da fadiga. Além disto, o ESF 13 incluía controlo pneumático da altura do feixe luminoso dos faróis dianteiros, limpa-faróis, limpa-vidros traseiro, avisador do estado dos farolins traseiros no interior e detalhes de pintura exterior que realçavam a visibilidade do automóvel.

image

O depósito de combustível já estava numa posição que minimizava o risco de incêndio e tinha um mecanismo que desativa a bomba de combustível se houvesse uma perda de pressão. O próprio sistema tinha uma válvula que impedia o derrame se o carro capotasse e até os materiais utilizados no interior eram ignífugos.

A inovação do ESF 22

O Veículo de Segurança Experimental ESF 22 foi o terceiro marco no Programa ESV da Mercedes-Benz e levou as preocupações da marca da estrela com a segurança passiva e ativa a um novo patamar. Baseado diretamente no Classe S W116, que, por si, já era um dos automóveis mais inovadores do mundo, esta berlina com 5240 mm de comprimento e mais de duas toneladas de peso recorria a uma panóplia de elementos de segurança que aumentavam consideravelmente a hipótese de sobrevivência num impacto frontal a 65 km/h contra uma barreira indeformável. Entre os sistemas mais evoluídos destacam-se os airbags, os pré-tensores dos cintos com limitadores de força e o sistema ABS de controlo eletrónico, dispositivo de segurança que, hoje, consideramos imprescindível - ao ponto de se ter tornado obrigatório - e que passou a ser opcional no Classe S W116 em 1978. Um dos detalhes mais curiosos do ESF 22 eram os enormes e sobressaídos para-choques dianteiros de 245 mm, que estavam equipados com sistemas hidráulicos de absorção de impactos.

image

Todos estes elementos proporcionaram uma excelente base para o ESF 24, o último dos Veículos Experimentais de Segurança da Mercedes-Benz durante a década de 70. Aliás, o relatório final dos testes, em 1975, chegou à mesma conclusão ao afirmar que “o ESF 24 encerra o projeto, uma vez que representa o melhor compromisso possível entre os requisitos originais do ESF e os nossos modelos de produção atuais”.

image

As ideias concretizadas durante os desenvolvimentos dos ESF entraram em produção em série nos modelos Mercedes-Benz em rápida sucessão. Alguns marcos são:

•         1978: Introdução em série do sistema de anti bloqueio da travagem - ABS.

•         1980: Introdução em série do airbag do condutor e dos tensores dos cintos como uma inovação mundial.

·         1995: Limitadores de força dos cintos e os airbags laterais são adotados na produção em série.

A Mercedes-Benz também introduziu na indústria várias outras características inovadoras na segurança ativa e passiva, sendo, inegavelmente, uma das marcas que, ao longo da sua história, mais se destacou neste campo. Uma tradição que ainda hoje perdura. Mas o legado dos ESF não se perdeu na década de 70, já que em 2009 a Mercedes-Benz apresentou um novo Veículo Experimental de Segurança: o ESF 2009, baseado num Classe S 400 Hybrid (W222) e com 13 inovações no capítulo da segurança.

image

14/01/2023 12:14

Mercedes-Benz duplicou venda de automóveis elétricos em 2022

As vendas de automóveis ligeiros de passageiros elétricos da Mercedes-Benz mais do que duplicaram em 2022, para 117.800 unidades no plano internacional (+ 124% do que em 2021). A procura elevada por veículos topo de gama também marcou 2022: foi o melhor ano de sempre de vendas da Mercedes-Maybach (+37%) e as entregas do Classe S subiram 5 %.

A marca de automóveis de luxo mais valiosa do mundo terminou 2022 com um último trimestre forte a nível de vendas, com o fornecimento de 540.800 veículos ligeiros de passageiros Mercedes-Benz (+17%) e um aumento das vendas de veículos topo de gama e veículos elétricos. O período de outubro a dezembro marcou o melhor trimestre de 2022 dos veículos topo de gama com um aumento das vendas de 14% graças à elevada procura na maioria das regiões, apesar da continuação das medidas de combate à COVID, da escassez de semicondutores e dos estrangulamentos logísticos ao longo do ano.

Num 2022 desafiante, a divisão de veículos ligeiros de passageiros Mercedes-Benz forneceu 2.043.900 veículos (-1%). Rumo a um futuro totalmente elétrico, as vendas globais de modelos xEV (PHEV e BEV, incluindo a marca smart) da Mercedes-Benz atingiram as 319.200 unidades (+19%), representando 15% das vendas unitárias totais da divisão de veículos ligeiros de passageiros Mercedes-Benz em 2022. Esta divisão mais do que duplicou as vendas de veículos elétricos para 117.800 unidades (+124%). Incluindo a marca smart, praticamente um em cada dois modelos xEV da Mercedes-Benz foi um veículo elétrico (44%). No âmbito da sua transformação para a produção exclusiva de veículos elétricos até ao final da década, se as condições de mercado assim o permitirem, a Mercedes-Benz anunciou plano para a sua própria rede de postos de carregamento de alta potência de mais de 10.000 unidades em todo o mundo, assegurando o carregamento fácil e rápido.

Forte crescimento nos topo de gama

As vendas no segmento topo de gama cresceram significativamente no quarto trimestre em 14% para as 83.800 unidades, resultando no melhor trimestre para este segmento em 2022. Os principais impulsionadores no quarto trimestre foram as vendas da AMG (+28%), Mercedes-Maybach (+25%) e do Classe G (+15%). A Mercedes-Maybach atingiu o melhor ano com a venda de 21.600 unidades (+37%). Este crescimento foi suportado principalmente pelos fortes desempenhos no Japão, Coreia do Sul, Médio Oriente e especialmente na China, onde a Mercedes-Maybach forneceu mais de 1.100 unidades por mês. 

As vendas do Classe S aumentaram para mais de 90.000 unidades, um aumento de 5% face ao ano anterior. Além disso, o EQS conseguiu atrair novos clientes para o segmento topo de gama. Em 2022, foram vendidos 19.200 veículos, com uma forte procura de clientes dos EUA, fazendo do quarto trimestre o melhor trimestre deste porta-estandarte elétrico. O EQS SUV já recebeu uma avaliação positiva nos EUA e será introduzido na China no início de 2023. As vendas anuais de veículos topo de gama foram restringidas devido à escassez de semicondutores. Em 2023, a marca Mercedes-Maybach irá tornar-se elétrica com o lançamento do Mercedes-Maybach EQS SUV na primeira metade do ano.

Luxo essencial

As vendas no segmento de Luxo Essencial atingiram as 1.101,800 unidades (+4%). Mais uma vez, o GLC foi o modelo Mercedes-Benz mais vendido com 342.900 unidades (+3%) em 2022. Com o seu modelo sucessor, lançado em meados de 2022, a Mercedes-Benz prevê continuar a sua história de sucesso. 

O Classe C viu as vendas subirem 17% para 299.100 unidades. O modelo totalmente elétrico EQE está agora disponível em todas as regiões e atingiu vendas de 12.600 unidades em 2022. O recém-lançado EQE SUV pode agora ser encomendado em toda a Europa. A China e os EUA são os mercados que se seguem na primeira metade de 2023. O segmento de Luxo Essencial será adicionalmente reforçado pelo novíssimo Classe E que irá celebrar a sua estreia mundial em 2023.

As vendas no segmento de Luxo de Entrada na Marca atingiram as 587.700 unidades (-10%), tendo sido prejudicadas principalmente por estrangulamentos logísticos. O EQA é o modelo totalmente elétrico mais vendido com 33.100 unidades (+43%), seguido pelo EQB com 24.200 unidades (+>1,000%). Os modelos Classe A e Classe B foram alvo de uma atualização no último trimestre de 2022 e estão agora disponíveis. A quota de veículos elétricos duplicou para 10% das vendas neste segmento.

14/01/2023 11:36

Mercedes-AMG: a paixão que os move

Depois da primeira parte do artigo sobre a história de 55 anos da AMG, conheça agora a fase em que o preparador alemão foi integrado no universo Mercedes-Benz, produzindo alguns dos mais desejados e emblemáticos desportivos do mundo.

A 1 de janeiro de 1999, Hans Werner Aufrecht cedeu uma participação maioritária na AMG à Daimler-Chrysler AG. Seis anos depois, o processo teve a conclusão esperada e, em 2005, a Mercedes-AMG torna-se uma subsidiária da Mercedes-Benz Group AG a cem por cento. Já sobre a alçada da Mercedes, a AMG conhece uma fase de profundo crescimento e o acesso aos meios (financeiros e tecnológicos) da casa-mãe permite aumentar exponencialmente a gama de modelos, as variantes e até os motores disponíveis.

Hoje, a oferta abrange mais de 50 propostas Mercedes-AMG, com potências entre os 306 cv do A35 e os 1063 cv do hipercarro ONE. A gama completa inclui berlinas, carrinhas, coupés e SUV, assim como roadsters e todas as variantes do Mercedes-AMG GT, o segundo superdesportivo desenvolvido independentemente pela Mercedes-AMG.

Os (ainda) mais exclusivos “Black Series”

Logo após a integração no universo do Grupo Mercedes-Benz, a agora denominada Mercedes-AMG lançou um novo V8 de 6,2 litros atmosférico para substituir o anterior V8 equipado com compressor. Curiosamente, este foi o primeiro motor a ter um desenho cem por cento AMG, já que não se baseou numa unidade Mercedes pré-existente. Este foi também o ano em que a Mercedes-AMG lançou o seu primeiro “Black Series”, o SLK 55 AMG Black Series, uma variante ainda mais potente, musculada, exclusiva e apaixonante de um modelo seu.

Seguiram-se mais algumas variantes “Black Series”, incluindo o fabuloso Mercedes-AMG CLK63 Black Series e o potente SL65 Black Series, com 670 cv de potência. Esta incursão no universo dos supercarros iria culminar com o SLS, o primeiro superdesportivo da Mercedes-AMG, um automóvel mais barato do que o SLR, mas, segundo os entendidos, ainda mais eficaz. O SLS coupé manteve as portas com abertura em asa de gaivota (gullwing), enquanto a posterior variante roadster tinha portas de abertura convencional.

Em 2010 o SLS conheceu uma versão que veio antecipar, em vários anos, os modernos super e hipercarros totalmente elétricos. Falamos do SLS AMG E-Cell com 533 cv e 880 Nm de binário, o primeiro supercarro totalmente elétrico a ser vendido (ainda que num número limitadíssimo de cerca de 100 unidades). Como se adivinhava, o SLS também recebeu uma variante “Black Series” com 622 cv de potência.

Verdadeira raridade só ao alcance de alguns é o AMG GT Black Series Edition ONE, cuja única unidade em Portugal foi entregue pela Sociedade Comercial C. Santos em 2021.

Um universo mais abrangente

Mas o atual universo da Mercedes-AMG não inclui apenas supercarros que só estão ao alcance de alguns afortunados. Sem nunca colocar em causa a sua aura de exclusividade e a reputação de elevado desempenho dos seus modelos, a Mercedes-AMG virou atenções para o Classe A, dando origem a um dos mais musculados e eficazes desportivos compactos da história: o A45 S AMG. Apresentado em 2013, o A45 S debitava uns impressionantes 360 cv. Na segunda geração do Classe A, a Mercedes-AMG tornou a escolha ainda mais abrangente, lançando uma nova versão de acesso (A35) com 306 cv e elevando a potência do icónico A45 S para os 421 cv, mantendo assim o estatuto de motor de quatro cilindros mais potente do mundo.

Apesar de, atualmente, existir uma (ou mais) variante Mercedes-AMG em quase todas as gamas (exceto no Classe B, por exemplo), esta divisão da Mercedes-Benz mantém a filosofia “um homem, um motor", em que cada unidade produzida continua a levar a célebre placa com a assinatura do artesão que a montou.

O futuro é eletrizante

Em 2018, a Mercedes-AMG inicia uma nova etapa na sua existência com a eletrificação em larga escala dos seus modelos. O sistema híbrido faria a sua estreia nos CLS 53, E53 Coupé e E53 Cabriolet. Um motor de arranque/gerador integrado levou o motor 3.0 de seis cilindros para lá dos 430 cv, enquanto baixava significativamente os consumos e as emissões.

Esta nova geração de modelos híbridos encontra o expoente máximo no “estratosférico” GT 63 S E Performance de quatro portas, uma berlina de formato coupé equipada com uma combinação de um motor V8 4.0 biturbo com um motor elétrico que resulta numa potência total de 831 cv (1400 Nm de binário), suficientes para levar este desportivo familiar de a 0 a 100 km/h em 2,9 segundos…

Mas, como não poderia deixar de ser, a Mercedes-AMG também está a abraçar a eletrificação total e já tem em comercialização versões ainda mais “apimentadas” dos novos EQE e EQS, bem como do SUV EQE. O grande familiar EQE tem potências entre os 476 cv (43 4Matic) e os 625 cv (53 4Matic+) enquanto a berlina de luxo EQS só tem uma versão (EQS 53 4Matic+) com 658 cv de potência. O Mercedes-AMG EQE SUV 43 4Matic disponibiliza 476 cv.

AMG ONE, o culminar de um sonho

Seria impossível falar da história recente da Mercedes-AMG sem referir o ONE, o desportivo que esbate as linhas entre a F1 e os automóveis de estrada e o hipercarro que redefine os padrões nesta classe tão exclusiva de automóveis.

Com uma cadeia cinemática herdada diretamente da F1, o Mercedes-AMG ONE combina um motor a gasolina híbrido com 6 cilindros, de 1,6 litros, com injeção direta e turbo, com quatro motores elétricos. O motor de combustão tem 574 cv às 9000 rpm, com o limitador a atuar às 11 000 rpm. Quanto aos motores elétricos, o primeiro está montado na cambota e debita 120 kW (163 cv), um segundo oferece 90 kW (122 cv) e os restantes estão montados no eixo dianteiro e contribuem para um total de 240 kW (326 cv). A potência somada dos motores elétricos é de 450 kW (612 cv) o que, associado ao motor de combustão, permite uma potência máxima combinada de 1063 cv…

As prestações oferecidas pelo Mercedes-AMG ONE são igualmente estarrecedoras: 0 a 100 km/h em 2,9 segundos, 0 a 200 km/h em 7 segundos e os 300 km/h chegam ao fim de apenas 15,6s. Já a velocidade máxima (limitada eletronicamente) está fixada nos 352 km/h.

O único ONE comercializado para Portugal teve a intermediação da Sociedade Comercial C. Santos, num negócio fascinante e cuja história pode ler aqui.

Foram precisos 55 anos de história para se chegar ao nível de excelência, precisão e desempenho do hipercarro Mercedes-AMG ONE, mas a divisão desportiva da Mercedes-Benz não irá abrandar o ritmo de lançamentos. Mantendo o espírito original, um dos segredos da AMG é a paixão e know how dos seus mais de 2000 funcionários, que prometem acrescentar novos capítulos a uma história que marcou a própria indústria dos desportivos de série.

12/01/2023 13:13

image

Soc. Com. C. Santos discutiu ano automóvel em webinar do Standvirtual e da ACAP

A Sociedade Comercial C. Santos esteve representada no primeiro webinar do ano do Standvirtual e da Associação Automóvel de Portugal (ACAP). O webinar “Standvirtual & ACAP: Barómetro do Mercado Automóvel” fez o balanço de 2022 e a perspetiva do novo ano para o setor automóvel em Portugal.

A iniciativa contou com representantes da associação e de empresas do setor, entre os quais o administrador-delegado da Sociedade Comercial C. Santos, Pinho da Costa. “As redes digitais vieram transformar o mundo e, sem dúvida, o setor automóvel. É importante a forma como nos posicionamos no mercado, a presença física e contacto com o cliente continua a ser fundamental. Apesar de tudo poder ser feito através do digital, 99% da decisão final acaba por ser presencial o que torna o papel do consultor cada vez mais importante no atendimento ao cliente e na concretização do próprio negócio”, afirmou Pinho da Costa.  

image

Energias alternativas crescem

Segundo dados da ACAP, em dezembro verificou-se em 2022 um aumento de 12,7% no total do mercado automóvel (todas as marcas e segmentos) face ao mesmo período de 2021 e uma subida de 2,8% no acumulado anual face a 2021. As energias alternativas (veículos eletrificados e híbridos GPL) representaram cerca de 44% do mercado total de ligeiros em dezembro de 2022.

image

No que ao mercado de automóveis usados (também aqui todas as marcas e segmentos), o Standvirtual indica que houve uma dinâmica de mercado negativa no mês de dezembro (-18%, a mais negativa do ano), uma tendência que se tem vindo a verificar nos últimos quatro meses, comparativamente com o mesmo período de 2021.  A transferência de propriedade de ligeiros de passageiros teve um decréscimo de 5,8% em novembro de 2022, face ao mês homólogo de 2021. Regista ainda um decréscimo de 11,2% em comparação com 2019, no pré-pandemia.  

No que diz respeito aos veículos importados (ligeiros de passageiros), há paralelamente um crescimento de +49,4% em dezembro, face a 2019 e de +27,7% face a 2021, que se relaciona com a falta de stock nacional. No acumulado anual de 2022, há um aumento de +32% e de + 44,5% de importação em relação a 2019 e 2021, respetivamente.

Por tipologia de combustível, a importação continua a acontecer sobretudo nos carros a gasóleo, ainda que a decrescer gradualmente para cerca de 60%, seguindo-se a gasolina, com ligeiro aumento. A predominância do elétrico é cada vez mais evidente (cerca de 10% do total).

Assista aqui ao webinar:

11/01/2023 10:40

image

Soc. Com. C. Santos discute eletrificação de veículos comerciais ligeiros em conversa digital

A Sociedade Comercial C. Santos promove, na próxima quarta-feira (dia 18), uma conversa digital sobre a eletrificação dos veículos comerciais ligeiros. Com transmissão em direto nas redes sociais do concessionário Mercedes-Benz e smart, esta nova SocTalks irá contar com responsáveis de organismos e empresas com necessidades quotidianas de viaturas comerciais ligeiras.

A próxima SocTalks está marcada para a próxima quarta-feira, 18 de janeiro de 2023, às 11h00 (com duração aproximada de uma hora). Terá como tema “Desafios da eletrificação no transporte urbano de passageiros e mercadorias".

Os participantes são Adelina Rodrigues, chefe da Divisão de Energia e Mobilidade da Câmara Municipal da Maia, Pedro Correia, responsável de formação operacional da DPD Portugal, Tânia Monteiro, diretora de operações da Living Tours e Aquiles Pinto, relações públicas da Sociedade Comercial C. Santos. A conversa será moderada por Carlos Moura, jornalista da revista Turbo Comerciais e representante português no júri dos prémios International Van of the Year e do International Pick-Up Award.

A ação será transmitida em direto no Facebook, LinkedIn e YouTube da Sociedade Comercial C. Santos. O público poderá, através daqueles canais, colocar questões aos participantes.

“A eletrificação é discutida há alguns anos nos automóveis de passageiros, mas é um tema mais recente nas viaturas comerciais ligeiras, não obstante este tipo de veículo ter uma utilização muito aplicada ao ambiente urbano, onde as emissões e o ruído serão cada vez mais escrutinados. É uma excelente oportunidade contarmos com representantes de organismos e empresas que têm grande experiência no recurso a vans, para elucidarmos o público sobre esta temática”, refere o relações públicas da Sociedade Comercial C. Santos, Aquiles Pinto.

Promoção de discussão isenta

Esta será a sétima edição das SocTalks. A Sociedade Comercial C. Santos valoriza a discussão isenta e genérica de temas importantes para a economia e para a mobilidade. Mais, considera que as empresas têm um papel fundamental na discussão do presente e futuro de áreas-chave para economia e sociedade. Foi com base nesta premissa que o representante Mercedes-Benz e smart implementou estas conversas digitais e presenciais. A ideia é que se trate de pequenas conversas informais que sirvam para, de forma simples, melhor esclarecer o público.

De referir que as SocTalks estão, também, disponíveis em formato podcast. Trata-se de uma mais plataforma onde podem ser encontradas pelo público, juntando-se ao Facebook, YouTube e LinkedIn da empresa (onde são transmitidas em direto).

image

11/01/2023 10:20

image

Soc. Com. C. Santos assinala 77 anos com novas instalações

A Sociedade Comercial C. Santos celebra o seu 77º aniversário. Desde 11 de janeiro de 1946 muito mudou no mundo e no setor automóvel, mas o objetivo da empresa de oferecer aos clientes as melhores soluções manteve-se. As novas instalações, que pode conhecer no vídeo abaixo, são o mais recente exemplo disso.

Aos 77 anos, a Sociedade Comercial C. Santos é uma empresa que se orgulha no passado, mas que pretende construir, junto de clientes e parceiros, um futuro melhor. O histórico concessionário Mercedes-Benz e smart publicou nas redes sociais um vídeo que passa em revista alguns momentos marcantes de 2022.

Pessoas são essenciais

A história da Sociedade Comercial C. Santos tem sido pautada pelo sucesso. Trata-se de um dos maiores e mais históricos concessionários Mercedes-Benz e smart em Portugal, com um percurso longo e bem-sucedido, fruto de estar acompanhados por uma marca sempre na vanguarda do desenvolvimento e do serviço ao cliente, assim como do trabalho desenvolvido desde 1946 pelas equipas de profissionais.

image

Atualmente com cerca de 350 colaboradores, a Sociedade Comercial C. Santos tem, com efeito, na união da sua equipa a sua principal força. Sempre que encarou desafios, os seus profissionais uniram-se e procuraram oportunidades.

A Sociedade Comercial C. Santos fechou 2022 com cerca de 2700 veículos novos e usados vendidos (-16% do que no ano anterior) e 144,4 milhões de euros de volume de negócios (+6,7% do que em 2021). A postura da administração e dos profissionais da empresa tem levado pelo caminho do crescimento. Este espírito irá permitir manter essa tendência.

Nova casa em funcionamento

A Sociedade Comercial C. Santos iniciou atividade a 11 de janeiro de 1946, no Porto, tendo como sócios, entre outros, a C. Santos Limitada, então detentora da representação Mercedes-Benz. A sede social da Sociedade Comercial C. Santos situava-se, na altura, na rua de Santa Catarina, e aí permaneceu durante 42 anos, até 1988. Nesse ano, a sede social é transferida para as instalações da Maia, que haviam sido inauguradas em 1982. No presente, além das instalações-sede junto ao Aeroporto Sá Carneiro, a empresa tem showrooms na Boavista (stand emblemático da cidade do Porto, projetado pelo arquiteto Pádua Ramos) e em Felgueiras.

image

Nas instalações da Maia, com mais de 62 mil m2, a Sociedade Comercial C. Santos integra a atividade de comercialização e reparação de viaturas de veículos ligeiros de passageiros, ligeiros de mercadorias e pesados de passageiros e de mercadorias. Conta, além disso, com a venda de peças e lubrificantes, bem como com a Rent a Star (rent-a-car).

Com 77 anos de história, a empresa está, como sempre esteve, de olhos postos no futuro. A prova disso são as novas instalações na sede da empresa na Maia, junto ao Aeroporto do Porto. O edifício integra o novo showroom e novas zonas de trabalho das equipas comerciais e administrativas.

image

As novas instalações, que refletem os mais recentes dealer standards da Mercedes-Benz (MAR 2020), caracterizam-se por uma maior abertura ao exterior e isso reflete-se no atendimento ao cliente. O novo edifício da Sociedade Comercial C. Santos tem uma área total superior a 6000 m2 (concretamente 6244 m2), divida por três pisos, sendo a área de exposição (piso 0) superior a 2000 m2 (o triplo do disponível no anterior stand da empresa).

As novas instalações da Sociedade Comercial C. Santos apostam na sustentabilidade. A grande superfície vidrada potencia o aproveitamento da luz natural e todo projeto tem com objetivo promover a eficiência energética. Destaque para o sistema fotovoltaico instalado, que aproveita a energia do sol para produzir eletricidade a utilizar pela empresa.

image

Soc. Com. C. Santos em números

·        77 anos de história

·        350 colaboradores

·        144,4 milhões de euros de volume de negócios/ano

·        2700 viaturas (novas e usadas) vendidas/ano

·        +100 viaturas alugadas/dia (Rent a Star)

·        +140 viaturas/dia nas oficinas

·        +100 mil peças em stock (maior armazém de peças originais Mercedes-Benz em Portugal)

image

Algumas datas marcantes da Soc. Com. C. Santos

·        1946 – A Sociedade Comercial C. Santos inicia, a 11 de janeiro, a sua atividade, no mesmo ano em que a Mercedes-Benz começa a ser representada em Portugal (apenas com veículos ligeiros de passageiros). Com sede social na Rua de Santa Catarina, a Sociedade Comercial C. Santos tinha entre os sócios iniciais a C. Santos Limitada, detentora da representação Mercedes-Benz. Posteriormente, a Sociedade Comercial C. Santos passou a fazer parte da holding Eminco, que integraria empresas das áreas de comercialização de viaturas (Mercedes-Benz), aluguer de viaturas (Avis Rent-A-Car) e venda de peças e lubrificantes (Castrol). Em 1986 viria a ser adquirida a totalidade do capital social à Eminco.

·        1958 – Inauguração das oficinas principais na Via Rápida (antes, e durante quatro anos, as oficinas situaram-se na Rua de Santos Pousada), onde se mantiveram até 1984.

·        1982 – São inauguradas as instalações da Maia, local onde a Sociedade Comercial C. Santos permanece até hoje, ocupando, então, uma área de cerca de 55 mil m2.

·        1988 – A sede social da Sociedade Comercial C. Santos é transferida de Santa Catarina para a Maia. Era, de resto, nas imediações do Aeroporto que já há dois anos se concentravam os escritórios centrais, a área de vendas de automóveis, comerciais ligeiros e pesados, o departamento de peças e a assistência técnica a viaturas turismo, comerciais ligeiros e pesados.

·        1990 – Inauguração do salão de exposição na Avenida da Boavista. Com projeto da autoria do arquiteto Pádua Ramos, este stand emblemático da cidade do Porto apresenta-se como um cartão de visita da empresa.

·        2000 – Inauguração do salão de exposição de Felgueiras.

·        2002 – As instalações da Maia são ampliadas com a inauguração do salão de exposição de comerciais e a nova oficina de comerciais pesados.

·        2003 – Início de funcionamento como oficina autorizada da Evobus.

·        2007 – A empresa é alvo de um processo de cisão-fusão, passando a integrar instalações na Maia, Boavista e Felgueiras.

·        2009 – A Sociedade Comercial C. Santos reinicia o negócio smart (vendas, assistência e peças nas instalações da Maia e Boavista).

·        2010 – A empresa alarga a sua área de atuação ao negócio de rent-a-car, disponibilizando uma frota exclusiva Mercedes-Benz e smart.

·        2013 – Ano de forte crescimento de atividade, mas também de início de um processo de renovação e aumento de instalações (passando para os atuais mais de 62 mil m2 de área).

·        2016 – É criado o cartão Sociedade Comercial C. Santos, um cartão de crédito com vantagens nos serviços disponíveis na empresa.

·        2017 – A SCCStar, Rent a Star, passa a ser uma empresa autónoma de aluguer de viaturas.

·        2018 – Arranque da construção do novo stand de exposição, com conclusão prevista para 2022.

·        2019 – A empresa altera, em fevereiro, a sua natureza jurídica de sociedade por quotas (Lda.) para sociedade anónima (SA), passando a designar-se Sociedade Comercial C. Santos, SA.

image

07/01/2023 17:09

image

AMG: três letras e 55 anos de performance exclusiva

Fundada em 1967 por Hans Werner Aufrecht e Erhard Melcher, a AMG celebra este ano o seu 55º aniversário. Mais de meio século a produzir alguns dos mais icónicos, inovadores e carismáticos desportivos da indústria automóvel, numa ligação umbilical ao universo Mercedes-Benz.

image

Colegas na divisão de motores de competição da Daimler-Benz, Hans-Werner Aufrecht e Erhard Melcher partilhavam a paixão pelo design e, acima de tudo, pela engenharia automóvel. Sempre que conseguiam, os dois engenheiros dedicavam-se a modificar modelos de Mercedes apenas por diversão. A sua primeira oficina rapidamente se transformou num “escritório de engenharia e centro de design e testes para o desenvolvimento de motores de corrida”. Nesta pequena garagem em Burgstall, Alemanha, os dois começaram a construir motores de corrida inovadores e de alto desempenho. Esta é a origem do acrónimo AMG, que significa “Aufrecht, Melcher e Großaspach” (o local de nascimento de Aufrecht).

image

Em 1971, o AMG 300 SEL 6.8 (o célebre Red Pig) construído pela dupla alemã reclamou uma vitória completamente inesperada na sua classe e ficou em segundo lugar à geral nas míticas 24 horas de Spa-Francorchamps.

image

De Affalterbach para o mundo 

A empresa que estava originalmente sediada em Burgstall, mudou-se para Affalterbach em 1976. Durante as décadas de 1970 e 1980, a AMG ficou conhecida como o modificador proeminente dos automóveis Mercedes-Benz. A AMG acabou por crescer para além da pista de corridas e entrou no mercado mais vasto da personalização de automóveis de estrada da Mercedes-Benz. Os motores, os detalhes estéticos, os interiores exclusivos e o desempenho desportivo dos AMG acabaram por destacar-se no seio da marca. Com o tempo, o símbolo AMG plano e alongado na tampa da bagageira de vários modelos exclusivos rapidamente se tornou sinónimo de potência, prestígio e desempenho.

image

A AMG produziu inicialmente uma gama de modificações não oficiais e vários acessórios para os modelos Mercedes-Benz R107 e C107 (SL Roadster de 1971 a 1989), Mercedes-Benz W116 (Classe S de 1972 - 1980), Mercedes-Benz W123 (antecessor do Classe E de 1976 - 1985 classe), Mercedes-Benz W124 (Classe E de 1984-1997), Mercedes-Benz W126 (Classe S de 1979-1992), Mercedes-Benz R129 (SL de 1989-2001) e Mercedes-Benz W201 (Classe C 1990-1993).

image

Design marcante

Outros detalhes de cosmética populares eram os kits de carroçaria AMG. Estes variavam desde os subtis spoilers frontais até aos agressivos alargamentos da carroçaria. Outras opções incluíam os bancos Recaro, volantes de menor diâmetro, painéis de instrumentos específicos, jantes, etc… Em 1986, o lançamento do AMG Hammer, baseado no Classe E W124, deu origem à berlina de passageiros mais rápida do mundo na altura. Equipado com um motor V8 DOHC de 5,6 litros e 32 válvulas, o Hammer debitava 360 cv e, dizia-se na época, seria mais rápido a recuperar dos 100 km/h aos 200 km/h do que um Lamborghini Countach.

image

No início da década de 90, a AMG assinou um acordo oficial com a então Daimler-Benz AG. Além de tornar a AMG uma espécie de preparador oficial da Mercedes, permitiu à empresa de Affalterbach aceder à imensa rede de distribuição mundial da marca. Em 1993, este acordo deu frutos e surge o C36 AMG, o primeiro desportivo desenvolvido em conjunto. Baseado no Classe C W202, o C36 AMG estava equipado com um motor de seis cilindros com 280 cv de potência, suficientes para levar esta berlina “familiar” aos 250 km/h (limitados eletronicamente) e de 0 a 100 km/h em apenas 6,7 segundos.

image

Este acordo representou a integração gradual no grupo Daimler, que começou em 1999 e foi, finalmente, concluída em 2005. Daqui em diante, a denominada Mercedes-AMG tornou-se uma subsidiária da Daimler AG e, em 2009, nasce o SLS AMG, o primeiro superdesportivo a ser desenvolvido inteiramente pela empresa.

image

Em breve, publicaremos a segunda parte deste artigo sobre os 55 anos da AMG. Uma história de estrelas apaixonantes e exclusivas.

image

06/01/2023 11:39

image

Daimler Truck Portugal é a nova designação da Mercedes-Benz Trucks Portugal

Seguindo a estratégia definida pela Daimler Truck AG, a Mercedes-Benz Trucks Portugal passou a denominar-se, a partir de 1 de janeiro, Daimler Truck Portugal, S.A.

Trata-se apenas de uma mudança de nomenclatura, pois a empresa continuará a assegurar os serviços de venda e após-venda dos camiões Mercedes-Benz em Portugal.

image

Esta alteração reafirma a aposta da Daimler Truck AG no setor dos veículos pesados. Há um ano, o grupo passou a ser cotado na Bolsa de Frankfurt, após a separação das unidades de negócio Cars & Vans e Trucks & Buses, em duas empresas distintas, permitindo um maior foco no negócio de camiões e nos seus clientes.

Na Sociedade Comercial C. Santos, continuamos a trabalhar em parceria com os nossos clientes para, juntos, movermos negócios de sucesso.

image

05/01/2023 17:52

image

Soc. Com. C. Santos fornece 50 Mercedes-Benz Actros à João Pires Transportes

A Sociedade Comercial C. Santos está a reforçar a frota da João Pires Internacional Transportes com 50 unidades do Mercedes-Benz Actros. Os primeiros 13 camiões já integraram a frota do transportador e os restantes serão entregues até ao final do primeiro semestre de 2023.

image

Os 50 camiões Mercedes-Benz Trucks encomendados pela João Pires Internacional Transportes à Sociedade Comercial C. Santos são do modelo Actros 1851 LS, com motorização de 510 cv Euro 6 E. As próximas unidades a entregar à empresa, sediada no Alto Minho, já estarão equipadas com a terceira geração do comprovado motor OM471 (13 litros de cilindrada), que reduz os consumos e emissões em até 4% por comparação com o antecessor.

image

A empresa especializada em transporte rodoviário (nacional e internacional) e em logística tem, atualmente, uma frota composta por cerca de 180 camiões. Desses, mais de 30 são Mercedes-Benz Trucks e as novas unidades a fornecer pela Sociedade Comercial C. Santos vão aumentar essa quota para cerca de 80 veículos.

Menos emissões e mais tecnologia

“Estas unidades oferecem-nos ganhos em termos de redução de consumos de combustível e de emissões de gases poluentes, permitindo-nos acreditar que vamos melhorar o serviço que oferecemos aos nossos clientes”, afirma João Pires, fundador e CEO da empresa. Sobre a opção pela Mercedes-Benz e pela Sociedade Comercial C. Santos, é destacado o histórico de parceria entre as empresas. “É um parceiro que nos acompanha e com quem temos uma ótima relação, pelo que mantemos a opção”, salienta João Pires.

image

A frota da João Pires Internacional Transportes não tem grandes oscilações em termos de número total de camiões, mas está em renovação constante. O fundador e CEO da empresa explica que essa estratégia traz benefícios de redução de emissões (o que tem reflexos positivos em termos de proteção do ambiente e de custos de utilização) e de maior capacidade de monitorização constante da frota, que é uma mais-valia operacional, além de melhor conforto para os motoristas.

“Confiança é um privilégio”

“A João Pires Internacional Transportes é um parceiro de longa data da Sociedade Comercial C. Santos. Voltarmos a merecer a confiança de tão importante operador para reforçar a sua frota é um privilégio para a Sociedade Comercial C. Santos. O nosso objetivo é que, no futuro, a oferta de veículos e de serviços prestados pela nossa empresa continuem a ser valorizados pela João Pires Internacional Transportes”, refere Ivo Pedro, o responsável de vendas Mercedes-Benz Trucks da Sociedade Comercial C. Santos.

A João Pires Internacional Transportes já esteve em destaque na SocInterview, rubrica de entrevistas da Sociedade Comercial C. Santos. Pode ver ou rever a entrevista a João Pires nesta ligação: https://youtu.be/hLFhGQsQ6Ds

image

04/01/2023 22:09

Novo Mercedes-Benz Classe A: uma estrela com brilho especial

O Mercedes-Benz Classe A redefiniu as regras do segmento C e assumiu-se como um best-seller incontestado. O novo Classe A é ainda mais moderno, sofisticado, confortável e seguro, prometendo ampliar o fosso para a concorrência e, mais importante, dar aos seus proprietários um leque ainda mais alargado de atributos.

Poucos automóveis na história do segmento dos familiares compactos se podem orgulhar do sucesso comercial que o Mercedes-Benz Classe A conquistou. Mas nem por isso a marca da estrela descansa à sombra dos louros alcançados e lançou um novo Classe A, ainda mais moderno, mais sofisticado, mais seguro e apaixonante. Sim, a Mercedes-Benz volta a provar que é possível melhorar o que muitos já julgavam ser perfeito.

Se o design continua a ser um dos principais catalisadores de vendas, o novo Classe A está ainda mais desportivo, musculado e elegante. A frente, dominada pelo formato em “nariz de tubarão”, recebeu uma grelha com o padrão de estrela da Mercedes-Benz. As jantes redesenhadas também enfatizam o caráter desportivo do Classe A, tendo agora a possibilidade de escolha entre quatro modelos adicionais de até 19”, incluindo umas deslumbrantes jantes multibraços, em preto brilhante e com aro brilhante, na poderosa versão AMG. Atrás, o Classe A recebe um novo difusor e os farolins traseiros LED de série asseguram uma aparência que apela à emoção, quer à luz do dia quer durante a noite.

O interior, que sempre foi um ponto de destaque na anterior geração do Classe A, subiu um degrau no requinte, qualidade e sofisticação. O recurso à alta tecnologia é ainda mais evidente no ecrã duplo independente proposto de série, constituído por um ecrã de 7 polegadas e um ecrã de 10.25 polegadas ao centro. Estão disponíveis, como opção, dois ecrãs de 10.25 polegadas, que aparentam flutuar sobre o tablier.

Mais potência, maior eficiência

O Classe A também dá mais um importante passo em frente nas cadeias cinemáticas híbridas plug-in. A bateria de alta tensão foi aperfeiçoada para que a maior capacidade de armazenamento de energia útil permita um aumento da autonomia. A potência do motor elétrico foi aumentada em 5 kW e agora atinge os 80 kW. No que diz respeito ao carregamento, continuam disponíveis três opções: além da potência de 3.7 kW de série, a bateria agora também pode ser carregada com corrente alternada com uma potência de até 11 kW, ao invés dos 7.4 kW do modelo antecessor. O novo Classe A também continua a disponibilizar a opção de carregar a bateria com corrente contínua e com uma potência de até 22 kW. Um carregamento com corrente contínua desde o estado de carga de 10 até 80 % demora cerca de 25 minutos, proporcionando uma experiência de carregamento versátil para a utilização no dia a dia.

A própria gama de motores a gasolina foi totalmente eletrificada e inclui unidades de quatro cilindros com caixa automática DCT de 7 ou 8 velocidades de série. As versões híbridas parciais estão equipadas com um sistema elétrico adicional de 48 V que acrescenta agilidade ao modelo durante o arranque, com uma potência adicional de 10 kW.

Tudo em linha com a iniciativa “Ambition 2039”, que a Mercedes-Benz definiu com o objetivo de lançar um portfólio de novos veículos ligeiros de passageiros e comerciais ligeiros neutros em CO2 em toda a cadeia de valor e ciclo de vida.

Elementos inovadores a bem do conforto e segurança

O equipamento de série do novo Classe A também foi reforçado, por exemplo, com a câmara de marcha-atrás, o pack USB ou o volante revestido em pele napa. A partir da versão Progressive, os clientes também podem contar de série com faróis de LED, bancos com apoio lombar, Pack Parking e o Pack Espelhos.

O ecrã do condutor e o ecrã central criam uma experiência visual ímpar, proporcionando uma sofisticação incomum e a uma acrescida capacidade de personalização através dos estilos Classic com toda a informação importante para o condutor, Sporty com o conta-rotações dinâmico e Discreet, com redução da quantidade de conteúdos apresentados. O ecrã central oferece todas as funções habituais e pode ser operado diretamente como um ecrã tátil. Outra nova funcionalidade é a integração de um sensor de impressão digital (disponibilidade prevista a partir do primeiro trimestre de 2023) para a identificação e autorização do condutor.

Quem conduz um Classe A também sabe que na Mercedes-Benz a segurança não é uma opção. Também aqui o novo Classe A foi atualizado em termos de sistemas de assistência. Com um novo pack Assistência à Condução.

O pináculo da evolução e do prazer de condução

Todas as evoluções culminam nos já icónicos Mercedes‑AMG: o A 35, que continua disponível nas variantes hatchback e Limousine, e o todo-poderoso 45 S 4MATIC+, apenas disponível no formato de cinco portas. A remodelação dos faróis dianteiros e a grelha específica, destacam-se imediatamente. Além disso, um novo para-choques dianteiro e as saliências acentuadas conhecidas do seu ‘irmão’ mais potente conferem ao A 35 uma face AMG nova, coerente e ainda mais musculada. O visual AMG é reforçado ainda pelo design das novas jantes, pelo spoiler traseiro, os farolins traseiros remodelados e as ponteiras de escape redondas características da marca (duplas no Mercedes‑AMG A 45 S 4MATIC+).

O habitáculo também espelha a exclusividade do novo Mercedes-AMG Classe A está equipado de série com volante AMG Performance com botões de controlo para as funcionalidades específicas da AMG, como o ESP de três níveis ou o sistema AMG Dynamics. A própria gama de motores Mercedes-AMG Classe A também foi atualizada. Em conformidade com os restantes modelos da gama, o Mercedes-AMG A 35 está equipado com um sistema elétrico auxiliar de 48 V e um motor de arranque/alternador acionado por correia e atinge uma potência de 225 kW/306 CV e um binário máximo de 400 Nm. Além disso, este desportivo está agora equipado com uma caixa AMG SPEEDSHIFT DCT de 8 velocidades.

O pináculo da gama será uma versão (ainda) mais especial e limitada, do Mercedes-AMG A 45 S 4MATIC+ com 421 cv. O pack AMG Street Style Edition impressiona com um design espetacular tanto no interior como no exterior, através da pintura MANUFAKTUR em cinzento mountain mate, o perfil aerodinâmico específico desta edição especial, uma película com gradiente de cores em preto/antracite mate, bem como detalhes em laranja fluorescente. Uma combinação perfeita com as jantes AMG em preto mate e as pinças de travão em vermelho.

O interior surpreende com bancos e volante AMG Performance, revestidos em microfibra MICROCUT com costuras decorativas laranjas, elementos decorativos específicos desta edição especial e estribos iluminados AMG com inscrição “AMG” iluminada em vermelho.

Quer descobrir todos os atributos do novo Mercedes-Benz Classe A? Contacte-nos! A nossa equipa de profissionais faz o resto.

02/01/2023 14:50

image

Cinco (boas) razões para ter um smart#1

É o SUV elétrico do momento e pode mudar a sua vida. Descubra como.

1) Baixos custos de manutenção e utilização

image

No poupar é que está o ganho

Sabia que, considerando um preço médio por kWh de 0,20€, “atestar” um smart#1 custa pouco mais de 13€? E que, considerando a autonomia estimada de 440 km, percorrer 100 km ao volante deste SUV 100% elétrico custa cerca de 3€? Pois é, para assegurar um custo de utilização similar num automóvel a gasóleo ou a gasolina, este teria de gastar menos de 2 l/100 km…

E não se esqueça que um smart#1 não há lugar a mudanças de óleo, filtros e correias de distribuição e que mesmo consumíveis como os travões têm um desgaste muito inferior. Ou seja: também vai poupar imenso nos custos de manutenção e terá o automóvel imobilizado para revisões menos vezes e a intervalos muito mais longos.

2) Benesses fiscais e descontos nos estacionamentos

image

Sem IUC, Tributação Autónoma, ISV e ainda poupa nos estacionamentos

Se mora ou trabalha no Porto, também fica a saber que o smart#1 tem descontos nos parques de estacionamento municipais, e em Lisboa, por exemplo, não paga parquímetro nos lugares regulados pela Empresa Municipal de Estacionamento de Lisboa (EMEL). Para isso basta adquirir um dístico que esta empresa disponibiliza e que tem um custo anual de 12€.

Além disso, o smart#1 está isento de Imposto Sobre os Veículos (ISV) e do Imposto único de Circulação (IUC), o vulgar “selo”.

Tem uma empresa? Então, na compra do smart#1 pode deduzir o IVA da aquisição e até deduzir o IVA referente aos carregamentos elétricos do mesmo. E o inovador SUV elétrico também está isento de Tributação Autónoma, mesmo com a mudança de regras que pode vir a penalizar os automóveis elétricos mais dispendiosos.

3) Tecnologia útil e amiga do utilizador

image

Inovação digital

O novo smart#1 é um verdadeiro compêndio de novas tecnologias, mas não se preocupe se não é um fanático dos “gadgets”, uma vez que tudo foi concebido e desenvolvido tendo em conta a facilidade de utilização do condutor e passageiros. Quase todas as funções podem ser controladas no destacado ecrã central de 12,8” sensível ao toque, mas também através dos botões de atalho, [MB1] para tornar a utilização ainda mais rápida e intuitiva. E o sistema instalado a bordo do sofisticado smart#1 já permite atualizações OTA (over-the-air) à distância para todo o tipo de funções, para o que o seu utilizador não tenha de se preocupar com nada.

4) Grande autonomia e rapidez no carregamento

image

Vá mais longe, carregue mais depressa

Com 440 km de autonomia anunciada (400 km no caso do Brabus), o smart#1 permite ir do Porto a Lisboa e vice-versa sem parar e ainda sobra para mais umas “voltinhas” em cidade. Tem de regressar no mesmo dia? Não há problema, o smart #1 aceita potências de carregamento até aos 150 kW em corrente contínua (DC), o que lhe permite carregar dos 10% aos 80% em 30 minutos. Ou seja: demora praticamente o mesmo tempo que você leva a (re)carregar o seu telemóvel. E com o reforço das infraestruturas, carregar um elétrico há muito que deixou de ser uma questão ou sequer um desafio.

5) Prazer de condução, sem sentimento de “culpa”

image

Prestações de superdesportivo sem o “peso” das emissões

Já imaginou a sensação de poder acelerar de 0 a 100 Km/h em apenas 3,9 segundos? Todo o processo de um espirro demora pouco menos. Aliás, qualquer automóvel capaz deste poder de aceleração entra diretamente para o “ranking” dos desportivos de exceção. Pois bem, não precisa de gastar uma fortuna na aquisição e outro tanto em consumos e manutenção, o novo Smart# Brabus garante todo o desempenho de um verdadeiro desportivo, por uma fração do preço e dos custos de utilização e manutenção. Com 272 cv de potência, o smart# garante, só por si um desempenho digno de registo, mas o Brabus, com 428 cv de potência e 543 Nm de binário, eleva o nível de prestações a um patamar sem paralelo nesta faixa de preço.

Melhor ainda (se é que isso é possível), usufruirá de todo este manancial de prestações sem emitir uma grama de CO2. Se já ouviu falar de mobilidade sustentável, o smart#1 Brabus é um excelente exemplo de que é possível conciliar a proteção ambiental e a eficiência energética, com um invulgar prazer de condução.

image

22/12/2022 19:02

Serviço 24 Horas Mercedes-Benz: uma equipa sempre consigo

A Sociedade Comercial C. Santos assegura a mobilidade a quase 1500 clientes por ano que precisam de assistência na estrada através do Serviço 24 Horas Mercedes-Benz.

Este serviço de desempanagem de ligeiros e pesados assinala 50 anos em 2022. Numa época do ano em que muitos portugueses viajam de automóvel para se juntarem às suas famílias, este serviço merece ainda maior destaque.

A assistência 24 Horas Mercedes-Benz é gratuita para todos os clientes com viaturas com o plano de manutenção em dia. O cumprimento desse plano garante acesso gratuito ao serviço de assistência em estrada Mercedes-Benz, com deslocação dos técnicos ao local, serviço de reboque e viatura de substituição, entre outras soluções de mobilidade.

O Serviço 24 Horas Mercedes-Benz, que assinala 50 anos de existência em 2022, é prestado por concessionários em vários países. No caso da Sociedade Comercial C. Santos, este serviço conta com uma equipa dedicada de 11 técnicos (sete para veículos ligeiros e quatro para pesados de mercadorias) e três viaturas Mercedes-Benz: um GLA e um Atego para veículos ligeiros e um Vito para pesados de mercadorias

Elevada taxa de resolução na estrada

Desde 2000 e até outubro deste ano, foram registadas quase 33 mil saídas pela equipa Serviço 24 Horas Mercedes-Benz da Sociedade Comercial C. Santos. A média anual de serviços superou os 1400. O ano com mais movimentos no século XXI foi 2019, com 2123 saídas (5,82 serviços por dia). 2021 teve um total 1627 saídas (média diária de 4,46).

Importa referir que muitos desses serviços não dizem respeito a avarias. Muitas dessas assistências têm várias outras causas, como furos nos pneus, falta de combustível ou casos em que a chave do veículo é esquecida dentro da viatura, entre outros pequenos contratempos do dia a dia. As oficinas da Sociedade Comercial C. Santos assistem um total de 44 mil veículos todos os anos.

O primeiro objetivo dos técnicos do Serviço 24 Horas Mercedes-Benz é que o problema seja resolvido na assistência em estrada, podendo os clientes seguir viagem, sem necessidade de rebocar o veículo para a oficina autorizada. Em 2022, a média de sucesso de desempanagem de viaturas assistidas em estrada pela Sociedade Comercial C. Santos no âmbito do 24 Horas Mercedes-Benz foi de 56% nos veículos ligeiros e de praticamente 100% em camiões (embora algumas intervenções sejam provisórias).

“Acompanhamento aos clientes é muito importante”

A assistência 24 Horas Mercedes-Benz é vista pela Sociedade Comercial C. Santos como mais uma ferramenta de apoio ao cliente e excelência de serviço. “Ocasionalmente, surge a necessidade de receber assistência em estrada. Poderem seguir viagem com a viatura reparada ou, pelo menos, terem uma solução de mobilidade até ao destino e o veículo ser transportado até à oficina autorizada é uma mais-valia. Este acompanhamento aos clientes é muito importante para a Sociedade Comercial C. Santos”, considera o diretor de após-venda da Sociedade Comercial C. Santos, Vítor Ferreira.

Exposição na receção da oficina

Para assinalar os 50 anos do Serviço 24 Horas Mercedes-Benz, a receção de após-venda da Sociedade Comercial C. Santos tem expostos alguns dos objetos com que as equipas de assistência da empresa trabalharam ao longo dos anos. Desde o simples triângulo de sinalização – que continua a ser essencial –, até um dos primeiros telefones móveis, que aumentaram a conectividade entre a empresa e os clientes, são vários os objetos expostos.

Alguns números do serviço 24 Horas Mercedes-Benz na Soc. Com. C. Santos:

·        11 técnicos

·        32 999 saídas desde 2000

·        1476 serviços/ano (média anual)

·        2019 foi o ano com mais saídas (2123)

·        3 viaturas dedicadas

21/12/2022 13:51

image

Evolução da espécie: as origens das carrinhas Mercedes-Benz

A história dos veículos comerciais Mercedes-Benz atravessa mais de um século e é marcada por várias tecnologias pioneiras. Saiba como tudo começou.

image

Qual a função do círculo perfurado na parte dianteira do veículo comercial motorizado Daimler de 1899, o precursor de toda a atual gama de comerciais da Mercedes-Benz? As entradas atrás desta placa em forma de peneira são as condutas de ar de um radiador tubular, inventado pelo pioneiro da mobilidade Wilhelm Maybach, esse mesmo, o criador original (em parceria com o filho) da mítica marca Maybach, que agora está integrada no universo Mercedes-Benz.

image

Com esta inovação, o genial Maybach melhorou significativamente o arrefecimento do motor e, consequentemente, o desempenho dos automóveis construídos pela Daimler. O radiador tubular foi utilizado pela primeira vez há 125 anos, no modelo Phoenix, e a patente do modelo utilitário foi registada a 24 de dezembro de 1897. Em dezembro desse ano, nasceu a Daimler-Motoren-Gesellschaft (DMG), dedicada a veículos motorizados.

image

Num processo contínuo de evolução, a DMG sempre primou pela melhoria permanente dos seus modelos de comerciais. A versão exibida na exposição “Pioneiros - A invenção do automóvel”, do Museu Mercedes-Benz, foi construída em 1899, dois anos após a estreia desta gama de modelos. Este veículo comercial motorizado foi concebido para uma carga útil de 500 quilos. É alimentado por um motor de 4,1 kW (5,6 cv) de dois cilindros com uma cilindrada de 1,527 centímetros cúbicos e tem uma velocidade máxima de 16 km/h. Em comparação, no ano seguinte (1900), a lista de vendas já menciona veículos comerciais com cargas úteis de 800 a 3.200 quilogramas e potências que variavam entre os 2,9 kW (4 cv) e os 5,9 kW (8 cv), para o motor de dois cilindros, e os 4,4 kW (6 cv) e os 8,8 kW (12 cv) para o mais sofisticado motor de quatro cilindros.

image

Uma plataforma em evolução

Em comparação com a ilustração no primeiro anúncio de vendas, o comercial da Daimler mudou rapidamente. Em 1897, tinha a configuração de uma carrinha de entregas com o motor debaixo do banco e uma coluna de direção independente. O exemplo no Museu, datado de 1899, já tem o motor localizado à frente do eixo dianteiro, protegido por um capot alto. Diretamente por baixo está o radiador tubular com a manivela de arranque no seu centro.

image

Estes detalhes inovadores contrastam com as características tradicionais do seu design: o condutor senta-se num banco aberto sem qualquer proteção contra as intempéries, conceito que se assemelha muito ao de um cocheiro que entrega mercadorias com uma carroça puxada por cavalos.

image

No entanto, tecnicamente, o veículo comercial motorizado já representava claramente um afastamento da era da carroça: à frente do condutor está a coluna de direção vertical, com um volante de madeira. No exterior, à direita, está a alavanca da caixa de velocidades. Por fim, a buzina grande e potente chama a atenção no trânsito.

Pneus de borracha para maior conforto

A potência do motor é transmitida às rodas traseiras através de duas rodas dentadas e correntes. Isto distingue o comercial dos camiões DMG com transmissão por pinhão que tinham sido construídos desde 1896. As rodas de madeira com raios são significativamente maiores na traseira do que na dianteira, com pneus de borracha sólida a toda a volta. Esta era uma característica de conforto real em veículos comerciais no final do século XIX, uma vez que os camiões e os camiões de entrega andavam frequentemente sobre rodas de madeira com “pneus” de aço. Em 1897, a Daimler cobrava mais 350 a 400 marcos por estas rodas de borracha maciça. Para veículos com uma carga útil de mais de 1.200 quilos, a DMG desaconselhava a utilização das rodas de borracha: “Os pneus de borracha não são recomendados para estes comerciais de maiores dimensões”, estava escrito, à época, nos folhetos de vendas da DMG.

image

O “veículo comercial” era um especialista quando se tratava da flexibilidade da logística. Um atributo que, ainda hoje, caracteriza os comerciais da Mercedes-Benz. “Os veículos comerciais da Daimler são altamente especializados entre os veículos motorizados”, anunciava a DMG em 1897. O anúncio de venda destacava a versatilidade: a área de carga pode ser utilizada como um chassis de caixa aberta, como uma plataforma de carga ou com bancos corridos, “para excursões e para transporte de passageiros”. A empresa com sede em Cannstatt oferecia cinco versões diferentes do veículo comercial motorizado. A carga útil estava compreendida entre os 500 e 2.000 quilogramas. Inicialmente, os veículos eram movidos por motores com 2,2 kW (3 cv) a 7,4 kW (10 cv) de potência.

O comprimento (3.400 a 4.600 milímetros), a largura (1.700 a 1.800 milímetros) e o peso (1.000 a 2.500 quilogramas) dos veículos comerciais motorizados variavam de acordo com a carga útil. Isto sublinhou a diversidade deste conceito de veículos que era muito recente na altura. Apenas no ano anterior, a Benz & Cie. tinha apresentado um veículo comparável em Mannheim e fundou o segmento com a sua “carrinha de entrega”.

Uma história de sucesso com mais de um século

image

A história de sucesso dos veículos comerciais ligeiros Mercedes-Benz estende-se, assim, durante mais de um século, desde as primeiras propostas de 1896 e 1897 até aos atuais e sofisticados Sprinter, Vito e Citan. No final do século XIX, os seus antecessores revolucionaram a logística flexível e rápida com o motor de combustão.

Hoje, os comerciais Mercedes-Benz representam uma nova era de mobilidade sustentável e com baixas (ou nenhumas, no caso das variantes elétricas) emissões para o transporte de mercadorias, os serviços de entrega de último quilómetro e muito mais. O Museu Mercedes-Benz orgulha-se, assim, de exibir vários representantes desta longa e proveitosa história de sucesso que está muito longe de estar terminada.

14/12/2022 10:18

image

Primus inter pares: a fabulosa história da Maybach

Historicamente, a Maybach sempre foi sinónimo de excelência na engenharia automóvel e do expoente máximo da sofisticação tecnológica, do requinte e do refinamento. É por isso que um Mercedes-Benz que ostente o icónico símbolo da Maybach é sempre o “primeiro entre iguais”.

Em 1900 Wilhelm Maybach, Diretor Técnico da Daimler-Motoren-Gesellschaft e companheiro de longa data de Gottlieb Daimler, desenvolveu o primeiro Mercedes dos tempos modernos. Com o seu baixo centro de gravidade, motor de alumínio instalado longitudinalmente na dianteira, dupla árvore de cames e um inovador radiador alveolar, o Mercedes Simplex é considerado o ‘pai’ de todos os atuais automóveis de passageiros.

image

Já nessa altura, Maybach era visto como um génio da engenharia e obcecado pela excelência em tudo o que fazia.  O seu filho, Karl, seguiu as pisadas do pai e foi aprendiz desde tenra idade (17 anos) na Daimler-Motoren-Gesellschaft (a antecessora da Mercedes-Benz). Assim, em 1909, os dois resolvem juntar esforços e criar a “Luftfahrzeug-Motorenbau GmbH”, a génese da mais recente “Maybach-Motorenwerke”. Os poderosos motores que criaram alimentaram aviões, navios e autocarros, bem como a locomotiva “Flying Hamburger”, uma espécie de precursor dos modernos comboios de alta velocidade.

Filho de peixe

Em 1919, quando Karl Maybach desenvolveu o seu primeiro automóvel, recorreu a um chassis Mercedes para servir de base de testes ao denominado “W 1”. O primeiro automóvel Maybach produzido em massa foi apresentado em Setembro de 1921. O modelo W 3 assemelhava-se a uma obra de arte sobre rodas: o primeiro automóvel de produção na Alemanha com travões de disco nas quatro rodas e um interior com os melhores materiais. O público ficou entusiasmado e nascia uma lenda. A revista “Motor” escreveu: “Uma nova estrela no firmamento automóvel está a começar a brilhar”.

image

Tal como o seu pai, Karl Maybach era um designer talentoso e um engenheiro inovador pelo que não é de estranhar que a Maybach tenha alcançado, rapidamente, um estatuto ímpar e um importante círculo de clientes ilustres, que incluía imperadores e reis, banqueiros e capitães da indústria, atletas de topo e estrelas de cinema.

Nas décadas de 20 e 30, a Maybach deu origem a alguns dos melhores automóveis que o dinheiro podia comprar e entre estes destacava-se a derradeira berlina alemã - o “Zeppelin”. Construída entre 1929 e 1939, esta imponente limusina de luxo equipada com um motor V12 combinava tecnologia, desempenho e um nível de conforto que a colocavam diretamente entre os melhores automóveis do mundo.

image

Luxo à medida

Em 1960, após a morte de Karl Maybach, a Daimler-Benz AG tomou posse da Maybach Motorenbau GmbH. Em 2002, a Maybach foi ressuscitada como uma marca de luxo independente capaz de rivalizar com as mais reputadas do planeta. O caderno de encargos era ambicioso e os automóveis surgidos sob a alçada da Maybach eram autênticas obras de arte com características distintivas que ainda hoje são sinónimo de um luxo levado ao extremo. Quase tudo nestes automóveis era personalizável e resultava de discussões entre clientes e designers no “Maybach Centre of Excellence” em Sindelfingen, perto de Estugarda. Até 2013, foram construídos individualmente na fábrica da Maybach os modelos 57, 62 e Maybach 62 Landaulet foram entregues aos mais exigentes clientes do mundo, homens e mulheres que não se contentavam com nada menos do que o melhor.

image

Em 2014 a Mercedes-Maybach foi estabelecida como uma sub-marca da Mercedes-Benz, uma espécie de divisão de luxo e ainda mais exclusiva da marca da estrela. A história de sucesso da Mercedes-Maybach continua até aos dias de hoje. Desde o seu lançamento no mercado em 2015, mais de 45 000 unidades da Mercedes-Maybach Classe S já foram entregues em todo o mundo. Em 2018, um em cada sete modelos Classe S vendidos já ostentava a designação Maybach.

image

A marca continua fiel aos seus princípios sob o lema “Ultimate Excellence” - a melhor entre as melhores. Os automóveis lançados sob a alçada da Mercedes-Maybach são produzidos e apresentados com perfeição artesanal e uma atenção intransigente aos detalhes. Representam o luxo e um estatuto intemporais. Todos os modelos Mercedes-Maybach são a derradeira representação do know-how tecnológico da Mercedes e apresentam todas as inovações e destaques dos atuais modelos da marca. Para os Mercedes-Maybach Classe S e GLS, as características distintivas são, por exemplo, os dois bancos individuais e reclináveis na traseira, as flutes de champanhe prateadas ou a opção por um acabamento exclusivo de pintura em dois tons. Sim porque, como diriam Wilhelm e Karl Maybach “o que é bom também deve ser bonito”.

image

13/12/2022 15:59

image

Conheça o smart #1 Brabus: 100% elétrico, 100% sustentável, 100% desportivo

Com 428 cv de potência e capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 3,9 segundos, o novo smart #1 Brabus é um desportivo sem rivais no segmento. Os únicos compromissos que este musculado SUV 100% elétrico assume é com o prazer de condução e com uma mobilidade cada vez mais sustentável.

Quem disse que um crossover de vocação urbana e com um preço abaixo dos 50 mil euros não consegue rivalizar com um superdesportivo nas prestações e no prazer de condução? O smart #1 foi concebido para agitar as águas, para acabar com os preconceitos e para ser disruptivo por natureza. A exclusiva versão Brabus vem sublimar estes atributos e criar um novo e marcante capítulo na prodigiosa história da colaboração entre a smart e o conhecido preparador alemão de desportivos, a Brabus.

image

Unidas pelo desejo de criar automóveis únicos, tanto no desenho como no desempenho, a smart e a Brabus conceberam um automóvel vincadamente desportivo, compacto nas dimensões, mas de espírito irreverente. Partindo de uma plataforma criada de raiz para uma mobilidade 100% elétrica, o smart #1 Brabus eleva a experiência de condução em ambiente urbano para patamares nunca antes vistos. Com uma potência combinada de 315 kW (428 cv), resultante da soma do motor dianteiro de 156 cv (200 Nm de binário) com o traseiro de 272 cv (343 Nm de binário), o #1 Brabus acelera dos 0 aos 100 km/h em apenas 3,9 segundos, fazendo inveja a muitos superdesportivos. Outra vantagem de recorrer a dois motores elétricos é que esta solução assegura a tração integral, permitindo gerir a passagem de tamanha “cavalaria” ao asfalto com uma facilidade desconcertante.

image

Mas a mestria dos engenheiros da smart não se esgotou nas prestações ou no comportamento excecional. A bateria instalada no smart #1 Brabus, com 66 kWh de capacidade, assegura uma autonomia de 400 km (WLTP). E porque os proprietários de um Brabus dificilmente querem deixar as “rédeas” deste desportivo, a smart preocupou-se em reduzir o mais possível os tempos de carregamento. O smart #1 Brabus aceita potências de até 150 kW em DC (o que permite ir de 10% a 80% da carga em apenas 30 minutos) e 22 kW em AC.

Um caso de amor à primeira vista

Mesmo antes de nos sentarmos aos comandos de um smart #1 Brabus, já sabemos que estamos perante um automóvel especial.

O exterior irradia elegância e uma agressividade contida. A subtileza está nos detalhes: as elegantes jantes Dynamo de 19” deixam observar as pinças de travão em vermelho, enquanto as entradas de ar dianteiras e o spoiler traseiro asseguram a eficiência aerodinâmica. O teto panorâmico é de série no #1 Brabus, assim como os acabamentos exteriores em dois tons: Radiant Red e Atom Grey-Matte.

image

O interior mantém a tónica desportiva, mas sem nunca abdicar da sofisticação e refinamento que se espera do smart #1. Os bancos de formato desportivo, com encostos de cabeça exclusivos Brabus, e o volante em Alcântara dão o mote, enquanto as aplicações exclusivas em tons de vermelho marcam o ritmo. Um ritmo necessariamente elevado; afinal, estamos a falar de um SUV do segmento B com mais de 400 cv de potência…

image

12/12/2022 19:39

image

Fusão de História e modernidade: novas instalações da Soc. Com. C. Santos recebem automóvel mais antigo do mundo

Uma réplica funcional do Benz Patent-Motorwagen, considerado o primeiro automóvel da História, pode ser observado até ao fim de janeiro no novo showroom da Sociedade Comercial C. Santos, junto ao Aeroporto do Porto.

Um pedaço de História nas novas instalações da Sociedade Comercial C. Santos. Ao lado dos mais modernos modelos da Mercedes-Benz está o primeiro automóvel de sempre, o Benz Patent-Motorwagen. Esta viatura é uma réplica – que pode circular – do primeiro veículo com motor a combustão com licença para transitar na via pública. O Benz Patent-Motorwagen foi patenteado a 29 de janeiro de 1886 por Carl Benz e é considerado o primeiro automóvel do mundo.

image

“A presença do Benz Patent-Motorwagen no nosso showroom permite-nos juntar no mesmo espaço os veículos mais tecnológicos da atualidade àquele que é considerado o primeiro automóvel do mundo. Tudo isto nas nossas novas instalações, que são, também estas, um exemplo da modernidade dos novos dealer standards da Mercedes-Benz. Convidamos todos a conhecerem esta réplica funcional do Patent Motorwagen na Sociedade Comercial C. Santos”, afirma o chefe de vendas de veículos ligeiros de passageiros da Sociedade Comercial C. Santos, Rui Santos da Cunha.

image

Inovações técnicas ainda hoje utilizadas

A patente – número 37435 – é considerada a certidão de nascimento do automóvel. Carl Benz projetou o veículo como um triciclo porque não estava satisfeito com os sistemas de direção disponíveis na altura para viaturas de quatro rodas. O motor de 954 cc monocilíndrico de quatro tempos tinha menos de 1 cv de potência (0,75 cv, mais concretamente) e a velocidade máxima era de apenas 16 km/h, mas foi o arranque de mais 136 anos de história automóvel.
O Benz Patent Motor Car foi conduzido pela primeira vez em público no dia 3 de julho de 1886, na Ringstrasse, em Mannheim.

image

Ao contrário dos seus concorrentes, Benz buscou uma abordagem integrada no desenvolvimento do Patent-Motorwagen: o motor, o chassis e os componentes da transmissão foram ajustados entre si para formarem uma única unidade. O motor, com um peso de cerca de 100 kg, era muito leve para os padrões da época. O motor monocilíndrico era simples, mas tinha todos os detalhes essenciais ainda hoje encontrados na maioria dos motores de combustão interna: cambota com contrapesos, ignição elétrica e refrigeração a água. Outras características incluíam cilindro com cárter aberto, válvula de admissão controlada por uma biela excêntrica e válvula reguladora acionada por um disco de excêntricos, entre outras inovações.

image


O carburador de superfície desenvolvido por Carl Benz, contendo um abastecimento de 4,5 litros de gasolina, servia para a preparação da mistura. Para percorrer uma distância de 100 km, o Patent-Motorwagen precisava de cerca de 10 litros de gasolina.
O chassis do Patent Motor Car era feito de tubo de aço dobrado e soldado. O veículo tinha tração traseira e a direção era ativada através da roda dianteira. Transmissão com mais do que uma velocidade, travão de pé (era acionado com uma alavanca manual) e marcha-atrás ainda não faziam parte do “equipamento” de série do modelo.

Primeira viagem foi símbolo de igualdade de género

A primeira grande viagem do Patent-Motorwagen aconteceu em 1888 e foi um símbolo da igualdade de género e da emancipação feminina. Em agosto desse ano, Bertha Benz (mulher de Carl Benz) e os seus dois filhos Eugen (15) e Richard (14) embarcaram na primeira viagem automóvel de longa distância da história. O trajeto a incluiu alguns desvios e levou os viajantes de Mannheim a Pforzheim (cidade natal de Bertha).
Com esta viagem de 180 km (ida e volta), Bertha Benz validou o conceito do automóvel. Em 2019, a Mercedes-Benz divulgou um vídeo em que homenageia a viagem protagonizada por Bertha Benz.

Benz Patent-Motorwagen – características técnicas:

Número de cilindros: 1
Cilindrada: 58 polegadas cubicas (954 centímetros cúbicos)
Potência (a 400 rpm): 0,75 cv (0,55 kW)
Velocidade máxima: 10 milhas por hora (16 km/h)

image

10/12/2022 12:11

image

EQE recebe certificação de sustentabilidade ambiental 360°

A Mercedes-Benz publica, desde 2005, a informação sobre o impacto ambiental dos seus produtos, de acordo com a norma ISO 14021. Especialistas externos executam uma detalhada “inspeção ambiental de 360°” aos automóveis. O EQE passou agora com sucesso a auditoria de validação.

Os fatores importantes para a avaliação do ciclo de vida de um veículo elétrico incluem a produção da bateria de alta tensão e os processos de carregamento externo durante a utilização do veículo. A Mercedes-Benz baseia o seu modelo de cálculo em dois pressupostos: a combinação de potência específica de cada país para carregar a bateria de alta tensão; e a produção das células da bateria. Contudo, no cenário de regeneração, é utilizada energia proveniente de fontes de energia renovável em cada caso.

Ambos os cenários consideram uma quilometragem de 250.000 km para o EQE. Se for utilizada energia proveniente de fontes renováveis (energia hidroelétrica) na produção de células na China e energia de carregamento na Europa, as emissões de CO₂ ao longo do ciclo de vida podem ser praticamente reduzidas a metade.

Fatores e valores interessantes: resumo da sustentabilidade do EQE

O EQE atinge um excelente coeficiente aerodinâmico (cd) de apenas 0,22 graças ao seu design em forma de arco e às inúmeras soluções de aerodinâmica.

184 componentes com um peso total superior a 78,3 kg podem ser fabricados parcialmente com materiais reciclados (plásticos reciclados e materiais de matérias-primas renováveis).

image

A química das células da última geração de baterias também foi otimizada para uma maior sustentabilidade: o material ativo é constituído por níquel, cobalto e manganês numa proporção de 8:1:1. O teor de cobalto é desta forma reduzido para dez por cento. As matérias-primas extraídas e processadas de forma responsável fornecem a base para um portfólio sustentável de automóveis Mercedes-Benz.

A maioria dos fornecedores, que representa praticamente 90 por cento do volume de compras anual, já assinou uma Carta de Ambição. Nesta carta o fornecedor declara a sua vontade de no futuro fornecer peças exclusivamente produzidas de forma neutra em emissões de CO2.

Desde 2022 que a produção em todas as fábricas de automóveis ligeiros de passageiros e comerciais ligeiros da Mercedes-Benz é neutra em emissões de CO2.

image

Desde 2021, a Mercedes-Benz assegurou uma compensação subsequente com eletricidade verde quando os clientes utilizam o serviço Mercedes me Charge para carregar os seus automóveis na Europa. Os certificados de origem asseguram que a quantidade de energia elétrica de fontes renováveis fornecida à rede elétrica é igual à quantidade de energia elétrica consumida após o processo de carregamento.

06/12/2022 22:28

image

A missão partilhada pela Mercedes-Benz e o filme Avatar

A campanha de copromoção global antecede a estreia mundial do filme nos cinemas, durante este mês. Mensagem fundamental: “O planeta Terra é a nossa Pandora”. Colaboração estratégica da marca com foco na sustentabilidade, respeito e comunidade, une a mensagem do filme e a viagem da própria Mercedes-Benz rumo a um futuro totalmente eléctrico.

image

A Mercedes-Benz está a entrar na fase seguinte da sua colaboração estratégica de marca com o Avatar: O Caminho da Água e os 20th Century Studios, que visa incorporar temas como sustentabilidade, mobilidade do futuro, tecnologia e inovação dentro de uma experiência de marca emocional.

No passado dia 18 de novembro assinalou-se o início de uma campanha de copromoção global da marca para o muito aguardado filme Avatar: O Caminho da Água dos 20th Century Studios, que terá a sua estreia nos cinemas nacionais a 15 de dezembro. Com base na ideia da campanha “O planeta Terra é a nossa Pandora”, a mensagem centra-se na responsabilidade para com o nosso planeta – reforçando a mensagem corporativa fundamental da Mercedes-Benz “Todas as ações contam. Junte-se à nossa caminhada rumo a um futuro totalmente elétrico.” As filmagens exclusivas mostram imagens e locais vibrantes da Terra, que serviram de cenários no filme Avatar: O Caminho da Água para evocar uma sensação de sonho de outro mundo. Os materiais da campanha como o TVC representam veículos totalmente elétricos da Mercedes-EQ incluindo o novo EQE SUV. A campanha irá passar nos principais mercados da Mercedes-Benz em todo o mundo, designadamente na televisão, cinemas, internet e redes sociais.

A campanha de copromoção completa um círculo que foi iniciado com o veículo de estudo VISION AVTR, inspirado pelo mundo do AVATAR.

“A saga do filme AVATAR é uma das mais bem-sucedidas do mundo com uma mensagem que também é fundamental para a cultura e os objetivos da Mercedes definidos na iniciativa ‘Ambition 2039’. Partilhamos a crença de que necessitamos de uma abordagem mais respeitadora da natureza e que devemos conservar os seus recursos. Esta copromoção com o Avatar: O Caminho da Água faz parte da nossa caminhada como empresa e saudamos a narrativa da história do AVATAR sobre a necessidade criar um equilíbrio entre os interesses ambientais, económicos e sociais. É uma fonte de inspiração à medida que prosseguimos com a nossa estratégia empresarial sustentável”, afirma Ola Källenius, diretor executivo da Mercedes-Benz Group AG. Saiba mais sobre a iniciativa ‘Ambition 2039’ e Sustentabilidade na Mercedes-Benz aqui.

image

“Estamos entusiasmados com a nossa colaboração global com a Mercedes-Benz na celebração do Avatar: O Caminho da Água”, afirmou Jon Landau, produtor do filme. “Esta campanha estende a narração do VISION AVTR, que foi inspirado pela saga Avatar e concebido em parceria entre a nossa equipa da Lightstorm Entertainment e os projetistas visionários da Mercedes-Benz.” James Cameron, realizador, guionista e produtor do Avatar: O Caminho da Água, afirmou “Juntamente com a Mercedes-Benz, criámos uma campanha com base na narração do mundo de Pandora que mostra ainda mais os valores que temos em comum, como o sentido de comunidade, o respeito pelo mundo onde vivemos e a sustentabilidade. Esperamos lançar esta campanha e partilhar o nosso novo filme com os admiradores em todo o mundo”.

O portfólio de modelos da Mercedes-Benz será totalmente elétrico até 2030, se as condições de mercado assim o permitirem. O seu portfólio engloba agora oito veículos 100% elétricos: EQA, EQB, EQC, EQE, EQE SUV, EQS, EQS SUV e EQV. A esses acrescentam-se ainda os modelos desportivos EQE, EQE SUV e EQS da Mercedes-AMG, o que significa que a empresa já oferece um modelo totalmente elétrico em todos os segmentos onde está representada. Os modelos Mercedes-EQ e os veículos de estudo visionários revelam o que pode ser alcançado agora e no futuro através de inovação, trabalho de equipa e determinação comum para preservar recursos. O veículo de estudo VISION EQXX, revelado no início do ano, oferece um caminho tangível e totalmente realista para a tecnologia dos veículos elétricos e a sustentabilidade do futuro. Entretanto, o veículo de estudo VISION AVTR apresentado no CES 2020 em Las Vegas incorpora a visão dos projetistas e engenheiros da Mercedes-Benz e dos investigadores de tendências para a mobilidade num futuro distante.

“Ao destacar a fusão do design com a tecnologia biónica, a mensagem da campanha visa reforçar a importância da aproximação e coexistência entre a humanidade e a natureza", afirma Bettina Fetzer, vice-presidente de comunicação e marketing da Mercedes-Benz AG. “A campanha de copromoção que é outro marco importante na colaboração entre a Mercedes-Benz e os criadores do Avatar: O Caminho da Água, sendo até à data a colaboração mais longa entre a Mercedes-Benz AG e um filme”, acrescentou Bettina Fetzer.

VISION AVTR – inspirado pelo AVATAR

O Mercedes-Benz VISION AVTR é o resultado de uma colaboração global extraordinária entre a AVATAR, uma das marcas de filmes mais inovadoras na indústria do entretenimento, e a Mercedes-Benz, a oitava marca mais valiosa do mundo (de acordo com a classificação da Interbrand de 2022). O nome do veículo de estudo revolucionário representa transformação avançada de veículos (ADVANCED VEHICLE TRANSFORMATION). A ligação biónica no veículo de estudo autónomo permite uma nova interação entre homem, máquina e natureza.

image

As suas linhas esticadas de “um arco” e o idioma de design orgânico combinam exterior e interior num todo emocional. Os materiais sustentáveis como a pele DINAMICA® de fabricada a partir de materiais reciclados de origem vegetal, o Karuun® de crescimento rápido que só pode prosperar na biodiversidade, e a tecnologia de baterias orgânicas compostáveis criam uma economia de circuito fechado. As trinta e três tampas biónicas na traseira do veículo podem comunicar com o mundo exterior – com e através do condutor – utilizando movimentos fluidos naturais em gestos subtis. Ao invés de um volante convencional, o VISION AVTR está equipado com um elemento de controlo multifunctional na consola central. Quando os passageiros colocam as suas mãos no controlo, o interior ganha vida e o veículo reconhece-os pelos seus batimentos cardíacos. Quando o utilizador simplesmente levanta a sua mão, o sistema inteligente projeta um menu na palma da mão, permitindo ao utilizador escolher intuitivamente entre as diferentes funcionalidades.

Sobre o Avatar: O Caminho da Água

Filmado mais de uma década após os acontecimentos do primeiro filme, o Avatar: O Caminho da Água começa por contar a história da família Sully (Jake, Neytiri e os seus filhos), os problemas que os seguem, os esforços que fazem para se manterem seguros, as batalhas para sobreviverem e as tragédias que suportam.

O filme Avatar: O Caminho da Água é realizado por James Cameron, produzido por James Cameron e Jon Landau, com David Valdes e Richard Baneham a desempenharem funções de produtos executivos. O elenco do filme inclui Sam Worthington, Zoe Saldaña, Sigourney Weaver, Stephen Lang, Cliff Curtis, Joel David Moore, CCH Pounder, Edie Falco, Jemaine Clement, Giovanni Rabisi e Kate Winslet.

Em Portugal a campanha de copromoção poderá ser vista em diferentes meios de comunicação, tendo em destaque os modelos EQE e EQS.